Nova descoberta que vai mudar a pesquisa de Alzheimer!

Com descobertas que podem alterar o caminho da pesquisa de Alzheimer, os cientistas afirmam que as formas de duas proteínas, desdobradas, parecem se espalhar pelo cérebro dos pacientes, semelhante a uma infecção.

A mudança na pesquisa de Alzheimer

Os resultados sugerem que a doença de Alzheimer é um distúrbio de “duplo prião”. Essa descoberta pode ajudar a levar a novos tratamentos que se concentram diretamente nos príons, de acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco.

Um prião é uma proteína disforme que pode forçar outras cópias dessa proteína para a mesma forma distorcida e se espalhar no cérebro. É mais conhecido por seu papel na encefalopatia espongiforme bovina – doença da “vaca louca” – e na doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ), uma doença degenerativa do cérebro.

Na nova pesquisa, a equipe da universidade analisou os cérebros de 75 pacientes com a doença de Alzheimer após a morte e encontrou formas priônicas auto-propagáveis ​​das proteínas amilóide beta e tau. Quantidades mais altas desses prions foram associadas com o início precoce da doença de Alzheimer e com a idade mais jovem à morte.

Os pacientes de Alzheimer têm placas amiloides e tau emaranhados no cérebro, mas os esforços para tratar a doença eliminando essas proteínas inativas falharam.

Essas novas descobertas sugerem que os prions ativos beta-amilóide e tau poderiam impulsionar a doença de Alzheimer e oferecer metas para o tratamento eficaz, de acordo com os pesquisadores.

Pesquisa de Alzheimer e tratamentos

“Acredito que isso mostre, sem sombra de dúvida, que amilóide beta e tau são ambos príons, e que a doença de Alzheimer é um distúrbio de duplo príon no qual essas duas proteínas destrutivas juntas destroem o cérebro”, disse o autor sênior do estudo e diretor do Instituto UCSF para Doenças Neurodegenerativas, Stanley Prusiner. Ele ganhou um Prêmio Nobel em 1997 por descobrir que os priônios eram responsáveis ​​pela doença da vaca louca e pela DCJ.

A fim de desenvolver terapias e diagnósticos eficazes, os pesquisadores esperam que a medição das formas priônicas de beta-amilóide e tau possa levar ao desenvolvimento de drogas que os impeçam de se formar ou se espalhar, ou ajudar a removê-los antes que causem danos.

O estudo foi publicado em 1 de maio na revista Science Translational Medicine.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.