Estudo indica que a ivermectina não é eficaz contra COVID-19

Os pacientes de COVID-19 tratados em um estudo randomizado com a droga antiparasitária ivermectina não se saíram melhor do que um grupo de placebo, disseram pesquisadores colombianos.

O tempo médio para a recuperação entre os pacientes com COVID-19 leve no grupo de ivermectina foi de 10 dias versus 12 dias entre aqueles que receberam placebo, e as taxas de resolução dos sintomas no dia 21 foram quase iguais, relatou Eduardo López-Medina, MD, do Centro de Estudos em Infectologia Pediátrica, e colegas, no JAMA.

Mas o julgamento estava longe de ser perfeito. O desfecho primário inicial foi o tempo desde a randomização até a piora dos sintomas em dois pontos em uma escala ordinal, mas poucos pacientes alcançaram esse desfecho no tempo esperado, o que significa que o tamanho da amostra necessário para manter o poder suficiente era “inatingível”.

Portanto, o desfecho primário foi alterado para o tempo, desde a randomização até a resolução dos sintomas no dia 21, e o tamanho da amostra original foi mantido.

Da mesma forma, ocorreu um erro de rotulagem durante o ensaio, em que a ivermectina foi administrada a todos os pacientes de 29 de setembro a 15 de outubro, de modo que o protocolo foi alterado e esses pacientes foram excluídos da análise primária. Pacientes adicionais foram então recrutados para reter o poder do estudo originalmente calculado.

Apesar desses problemas, López-Medina e colegas disseram que as descobertas permanecem válidas dentro dos limites de suas outras limitações. Isso incluiu falta de poder para outros desfechos de interesse, como a progressão da doença, devido ao seu recrutamento final de 398 pacientes.

A ivermectina gerou um burburinho considerável como medicamento para tratar COVID-19, com vários países incluindo-a em suas diretrizes, mas os autores apontaram a falta de pesquisas sobre os efeitos da ivermectina em COVID-19 no ambiente clínico.

Além disso, as diretrizes do NIH COVID-19 citaram “dados insuficientes” para recomendar a favor ou contra o uso de ivermectina e apelou para mais pesquisas e ensaios clínicos sobre o assunto.

“Até onde sabemos, relatórios preliminares de outros ensaios clínicos randomizados de ivermectina como tratamento para COVID-19 com resultados positivos ainda não foram publicados em periódicos revisados ​​por pares”, escreveram López-Medina e coautores.

Detalhes do estudo

O ensaio foi um estudo randomizado, duplo-cego e unicêntrico conduzido de 15 de julho a 21 de dezembro de 2020. Os pacientes eram elegíveis se não estivessem grávidas ou amamentando, adultos com doença leve, definida como RT-PCR ou antígeno positivo teste para SARS-CoV-2 e se eles estavam em casa ou hospitalizados, mas não estavam recebendo ventilação mecânica de alto fluxo.

Os pacientes foram designados 1:1 para receber 300 μg/kg de peso corporal por dia de ivermectina ou placebo, por 5 dias por via oral. Eles foram orientados a tomá-lo com o estômago vazio, exceto no primeiro dia, quando foi administrado após a triagem e randomização. Os pacientes foram acompanhados nos dias 2, 5, 8, 11, 15 e 21.

O desfecho primário foi a resolução completa dos sintomas no período de 21 dias, usando uma escala ordinal de oito categorias, variando de 0 (nenhuma evidência clínica de infecção) a 7 (morte). O tempo para recuperação foi contado como o primeiro dia durante o período de 21 dias, quando os pacientes relataram uma pontuação de 0.

No geral, 476 pacientes foram randomizados, incluindo os excluídos por causa do erro de dosagem (eles permaneceram na população tratada).

A idade média dos pacientes era 37 e 58% eram mulheres. Quase 80% não tinham comorbidades no início do estudo. Mais de três quartos dos pacientes relataram mialgia e dor de cabeça e 56% relataram perda do olfato.

Não houve diferença significativa no tempo de resolução dos sintomas entre os grupos. Além disso, os sintomas desapareceram em 82% do grupo de ivermectina e 79% do grupo de placebo em 21 dias.

Poucos pacientes em ambos os grupos experimentaram deterioração clínica de mais de dois pontos na escala ordinal (2% na ivermectina vs 3,5% no placebo), e as chances de melhorar a pontuação na escala ordinal também não foram significativamente diferentes entre os grupos.

Também não houve diferença significativa na proporção de pacientes que requerem escalonamento de atendimento em ambos os grupos (2% vs 5%, respectivamente).

Os eventos adversos foram relatados na maioria dos dois grupos (77% vs 81,3%) entre a randomização e o dia 21, levando à descontinuação em 15 pacientes no grupo ivermectina e cinco no placebo. Ocorreram quatro eventos adversos graves (dois em cada grupo), mas nenhum foi considerado relacionado à medicação do estudo.

As limitações do estudo, disseram os pesquisadores, incluíram que ele não foi conduzido ou concluído de acordo com o projeto original, que pode ter sido insuficiente para detectar uma redução menor e clinicamente significativa no desfecho primário e não foram incluídas avaliações virológicas, apenas características clínicas.

Os autores concluíram que estudos maiores seriam necessários “para compreender os efeitos da ivermectina em outros resultados clinicamente relevantes.”

_____________________________

O estudo original foi publicado no JAMA

* “Effect of Ivermectin on Time to Resolution of Symptoms Among Adults With Mild COVID-19: A Randomized Clinical Trial” – 2020

Autores do estudo: Eduardo López-Medina, MD, MSc, Pío López, MD, Isabel C. Hurtado, MD, Diana M Dávalos, MD, MPH, DrPH, Oscar Ramirez, MD, MPhil, Ernesto Martínez, MD, Jesus A. Díazgranados, MD, José M. Oñate, MD, Hector Chavarriaga, MD, MS, Sócrates Herrera, MD, Beatriz Parra, PhD, Gerardo Libreros, PhD, Roberto Jaramillo, MD, Ana C. Avendaño, MD, Dilian F. Toro, MD, Miyerlandi Torres, DrPH, Maria C. Lesmes, MD, Carlos A. Rios, MD, Isabella Caicedo, MD – 10.1001/jama.2021.3071

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.