Histerectomia para câncer cervical pode causar danos ao paciente

Pesquisadores descobriram que o uso de uma abordagem minimamente invasiva para histerectomia em pacientes com câncer cervical inicial diminuiu substancialmente depois que um ensaio clínico mostrou que o procedimento pode realmente causar danos.

Após a publicação do ensaio Laparoscopic Approach to Cervical Cancer (LACC) – que mostrou resultados piores para mulheres que receberam histerectomias radicais minimamente invasivas versus abertas – o uso de cirurgia minimamente invasiva caiu 59%, relatou Patrick Lewicki, MD, do NewYork-Presbyterian Hospital e Weill Cornell Medicine, localizados na cidade de Nova York, e colegas.

Entretanto, as taxas de cirurgia minimamente invasiva (laparoscópica ou robótica) diminuíram mais drasticamente nos centros acadêmicos em comparação com os ambientes não acadêmicos, escreveram os autores em uma carta para o New England Journal of Medicine.

“O uso desta abordagem entre os provedores não acadêmicos sugere uma oportunidade para melhorar os resultados”, afirmaram.

Amer Karam, MD, um professor clínico de obstetrícia/ginecologia da Universidade de Stanford, na Califórnia, disse que esperava ver uma diminuição geral nos procedimentos minimamente invasivos desde a publicação do ensaio LACC, mas ficou surpreso com a quantidade de provedores que ainda os realizam.

“Apesar do fato de que os resultados são piores, cerca de 50% dos médicos ainda estão fazendo cirurgia minimamente invasiva para câncer cervical”, disse Karam, que não estava envolvido no estudo, ao MedPage Today.

Ele acrescentou que a aceitação de novas orientações é normalmente mais lenta em instalações não acadêmicas do que em instalações acadêmicas, e que declarações mais fortes de organizações profissionais são necessárias para determinar quais procedimentos devem ser o padrão de atendimento e também quais são potencialmente prejudiciais.

Em pacientes com câncer cervical invasivo, uma abordagem minimamente invasiva é difícil de justificar, disse Karam, acrescentando que “poderíamos estar potencialmente prejudicando os pacientes ao continuar esta prática”.

O grupo de Lewicki observou que a cirurgia minimamente invasiva foi amplamente adotada para o tratamento do câncer cervical, mas existem poucos ensaios clínicos randomizados e controlados para avaliar os resultados.

Os resultados do estudo LACC publicado em 2018 mostraram que pacientes com câncer cervical em estágio inicial que foram submetidos a cirurgia minimamente invasiva tiveram piores resultados de sobrevida livre de doença e sobrevida global em comparação com aqueles que fizeram cirurgia aberta.

Desde que essas descobertas foram publicadas, orientações de sociedades médicas, incluindo a Society of Gynecologic Oncology, afirmaram que os oncologistas ginecológicos devem considerar todos os dados antes de aconselhar os pacientes sobre a abordagem cirúrgica escolhida.

Características do estudo

Lewicki e colegas avaliaram o uso de histerectomia radical minimamente invasiva versus aberta para câncer cervical. Os pesquisadores calcularam o número de histerectomias realizadas com uma abordagem minimamente invasiva a cada mês, comparando os dados antes e depois da publicação dos resultados do ensaio LACC. Eles avaliaram os dados do Premier Healthcare Database, uma grande amostra nacional de provedores de saúde.

O estudo incluiu mais de 2.400 pacientes, todos os quais receberam atendimento em um dos quase 300 centros entre novembro de 2015 e março de 2020. Cerca de 60% dos pacientes foram para um centro acadêmico para atendimento, enquanto os 40% restantes foram para um ambiente não acadêmico.

Antes da publicação dos resultados do LACC, uma abordagem minimamente invasiva foi usada em 58% das histerectomias. No entanto, após o teste, o uso geral diminuiu para cerca de 43%.

Em centros de saúde acadêmicos, as chances de realização de cirurgia minimamente invasiva caíram mais de 70%. Mas em ambientes não acadêmicos, a redução no uso dessa abordagem foi muito menor. Não houve mudanças significativas no uso de cirurgia minimamente invasiva com base na região do censo do hospital, raça do paciente ou status de seguro.

O grupo de Lewicki observou que o estudo se baseou em códigos de faturamento, o que pode ter limitado os resultados, e que faltavam informações clínico-patológicas.

No entanto, eles observaram que “Nosso estudo se baseia em dados anteriores sugerindo mudanças nos padrões de prática”, especificamente um estudo de 2020 que analisou as taxas do mundo real de histerectomia radical minimamente invasiva pré e pós-LACC.

____________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

* “Effect of a Randomized, Controlled Trial on Surgery for Cervical Cancer” – 2021

Autores do estudo: Patrick J. Lewicki, M.D., Spyridon P. Basourakos, M.D., Yuqing Qiu, M.S., Jim C. Hu, M.D., M.P.H., David Sheyn, M.D., Adonis Hijaz, M.D., Jonathan E. Shoag, M.D. –  10.1056/NEJMc2035819

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.