Dieta sem glúten para a prevenção de doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares são distúrbios do coração e dos vasos sanguíneos, incluindo eventos coronários e cerebrovasculares agudos (como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral). Aproximadamente 50% das incapacidades decorrentes de doenças cardiovasculares estão associadas a uma dieta abaixo do ideal.

Em particular, o glúten dietético (uma proteína encontrada em certos grãos de cereais) tem sido associado a uma ampla gama de resultados adversos à saúde.

Por exemplo, diferentes sintomas gastrointestinais (como má absorção ou diarreia) geralmente ocorrem em pessoas afetadas por doenças relacionadas ao glúten e o único tratamento eficaz para essas populações é uma dieta com redução de glúten ou sem glúten por toda a vida. As dietas com redução ou dietas sem glúten também ganharam uma forte popularidade na população em geral.

As evidências sobre os benefícios e malefícios de uma dieta com redução ou sem glúten na população em geral são, no entanto, contraditórias: embora evitar o glúten possa estar associado à prevenção de doenças, também há preocupações de que uma dieta sem glúten ou com restrição de glúten a dieta pode ser abaixo do ideal (devido a um consumo reduzido de grãos integrais, um componente chave da dieta).

Pergunta de revisão

Os autores revisaram os estudos disponíveis para determinar os efeitos (ou seja, benefícios e riscos relacionados à saúde) de uma dieta com redução ou sem glúten para a prevenção primária de doenças cardiovasculares na população em geral.

Características do estudo

Foi identificado um ensaio clínico randomizado (ECR) e três estudos não randomizados de intervenções (NRSIs) com um desenho observacional. O ECR foi realizado na Itália e incluiu 60 adultos saudáveis ​​com seguimento de seis meses.

Os NRSIs incluíram mais de 450.000 participantes (EUA) e relataram um seguimento máximo de mais de 25 anos. Nos NRSIs, a menor mediana de ingestão de glúten foi de 2,6 g/dia e a maior foi de 9,4 g/dia (assim, 1 g/dia de ingestão de glúten equivale a meia fatia de pão branco). O ECR comparou uma dieta sem glúten com uma dieta usual.

Principais resultados

Os resultados sugerem que não está claro se a ingestão de glúten está associada à mortalidade por todas as causas. Além disso, os achados não sugerem associação entre ingestão de glúten e mortalidade cardiovascular e infarto do miocárdio não fatal. Uma ingestão menor em comparação com uma maior ingestão de glúten pode estar associada a um risco ligeiramente aumentado de desenvolver diabetes tipo 2 – um importante fator de risco cardiovascular.

Esses achados foram independentes de idade, etnia, índice de massa corporal (IMC), histórico familiar de diabetes, tabagismo, consumo de álcool, atividade física, estado da menopausa e uso de hormônios na pós-menopausa, uso de contraceptivos orais, uso de multivitamínicos, ingestão total de energia e ingestão de magnésio, ácido fólico e fibra de cereais.

Os resultados do único ECR publicado sugeriram que não está claro se a ingestão de glúten afeta a pressão arterial sistólica. Além disso, neste ECR não foram encontradas diferenças entre uma dieta sem glúten e uma dieta habitual para outros fatores de risco cardiovascular, incluindo pressão arterial diastólica, níveis de lipoproteína de baixa densidade e IMC.

Nenhum estudo relatou dados sobre eventos adversos, qualidade de vida ou outros resultados relevantes para a saúde.

Certeza da evidência

A certeza da evidência nesta revisão foi baixa a muito baixa. Os estudos tinham várias falhas metodológicas. Tendo em conta que a maioria dos participantes dos NRSI eram profissionais de saúde, a aplicabilidade à população geral também é questionável.

Conclusão dos autores

Evidências de qualidade muito baixa sugerem que não está claro se a ingestão de glúten está associada à mortalidade por todas as causas. Os achados também indicam que evidências de baixa certeza podem mostrar pouca ou nenhuma associação entre ingestão de glúten e mortalidade cardiovascular e infarto do miocárdio não fatal.

Evidências de baixa certeza sugeriram que uma ingestão menor em comparação com uma maior ingestão de glúten pode estar associada a um risco ligeiramente aumentado de desenvolver diabetes tipo 2 – um importante fator de risco cardiovascular.

Para outros fatores de risco cardiovascul ar, não está claro se há diferença entre uma dieta sem glúten e uma dieta normal. Dadas as descobertas limitadas da revisão predominantemente baseadas em estudos observacionais, nenhuma recomendação para a prática pode ser feita.

_____________________________
O estudo original foi publicado na Cochrane Library

“Effects of a gluten‐reduced or gluten‐free diet for the primary prevention of cardiovascular disease” – 2022

Autores do estudo: Schmucker C, Eisele-Metzger A, Meerpohl JJ, Lehane C, Kuellenberg de Gaudry D, Lohner S, Schwingshackl L – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.