Excisão cervical após histerectomia supracervical pode ter complicações

A excisão cervical após histerectomia supracervical prévia levou a uma alta taxa de complicações, particularmente sangramento, de acordo com uma revisão retrospectiva de mais de 1.000 casos.

Complicações ocorreram em 38% dos procedimentos, incluindo sangramento em 26% e complicações gastrointestinais em 8%. Além disso, 15% dos pacientes necessitaram de transfusões. Mais de um terço dos procedimentos foram para leiomiomas e quase 20% envolveram doenças malignas, incluindo câncer cervical.

“Os riscos relatados aqui excedem as taxas de complicações esperadas de histerectomia total laparoscópica ou abdominal, com mais de um terço das mulheres experimentando qualquer complicação”, Stephanie L. Wethington, MD, da Johns Hopkins School of Medicine em Baltimore, e coautores relataram no Obstetrics & Gynecology.

“Na maioria dos casos, a indicação para excisão do colo do útero retido após a histerectomia supracervical foi para leiomiomas ou sangramento cíclico, também indicações comuns para histerectomia total. Em geral, a excisão do colo do útero retido é um procedimento com morbidade relativamente alta”, disseram. “O aconselhamento do paciente com relação à remoção do colo do útero no momento da histerectomia deve incluir essas informações.”

A histerectomia supracervical é responsável por cerca de 7% de todas as histerectomias. Extrapolando essa porcentagem para o volume anual da histerectomia, estima-se que 1,4 milhão de mulheres nos EUA foram submetidas à histerectomia supracervical, observaram os autores.

Os proponentes da histerectomia supracervical citam evidências de melhora da função sexual e urinária e diminuição da complexidade operatória em comparação com a histerectomia total, continuaram Wethington e seus colegas. Meta-análises, no entanto, não conseguiram apoiar as supostas vantagens.

O conhecimento sobre os resultados da histerectomia supracervical e os riscos associados à repetição da intervenção cirúrgica permanece incompleto. A retenção do colo do útero acarreta um risco futuro de malignidade e recorrência de sangramento cíclico e dor pélvica.

Para resolver a falta de informações atuais, os autores pesquisaram o National Inpatient Sample (NIS) para 2010-2014 para identificar os pacientes que foram submetidos a excisão do colo uterino retido após histerectomia supracervical.

O objetivo principal da análise foi determinar a taxa geral de complicações cirúrgicas associadas à excisão do colo uterino retido, bem como as taxas de tipos específicos de complicações.

Detalhes do análise

A consulta do NIS resultou em 1.140 casos para análise. As pacientes tinham uma idade média de 48,5, as caucasianas representavam 56,5% da coorte e as indicações mais comuns para excisão do colo do útero retido foram leiomiomas (35,3%), prolapso (13,6 %) e sangramento (10,3%).

Além disso, 5,3% das pacientes tiveram endometriose, 5,7% tiveram câncer uterino, 4,4% tiveram câncer cervical, 3,5% tiveram câncer de ovário e 3,5% tiveram outras doenças malignas.

A taxa geral de complicações perioperatórias de 38,1% incluiu os seguintes tipos de complicações:

  • Sangramento 25,7% (transfusão em 15,2%, anemia em 15,3%)
  • Cardíaca e tromboembólica 4,4%
  • Gastrointestinal 8,3% (íleo 7,0%)
  • Geniturinária e neurológica 3,9%
  • Infecção 6,4%
  • Pulmonar 6,1%

A análise das características do procedimento mostrou que 88,5% dos casos foram realizados por meio de abordagem abdominal ou vaginal e o restante por técnicas assistidas por robótica ou laparoscópica. O tempo médio de internação foi de 2 dias para procedimentos laparoscópicos/assistidos por robô e 3 dias para procedimentos abdominais/casos vaginais.

Com base em dados de uma amostra nacionalmente representativa de pacientes, o estudo contribuiu com novas informações sobre as taxas e tipos de complicações associadas à excisão de colo uterino retido após histerectomia anterior, disse Kristen Matteson, MD, da Warren Alpert Medical School da Brown University em Providence, Rhode Island.

Os médicos podem usar as informações para aconselhar pacientes que expressem interesse em reter o colo do útero no momento da histerectomia.

“Embora a necessidade de cirurgia adicional no futuro para remover o colo do útero seja rara, é uma cirurgia difícil associada a complicações e necessidade de transfusão de sangue”, disse Matteson, que é autor do boletim de prática do American College of Obstetricians and Gynecologists sobre histerectomia para doença benigna.

“Não fiquei surpresa com essas descobertas”, disse ela ao MedPage Today por e-mail. “Dada a relação entre as estruturas vitais perto do útero e do colo do útero, não foi tão surpreendente que a excisão do colo do útero após histerectomia supracervical esteja associada a um alto risco de sangramento e outras complicações.”

___________________________

O estudo original foi publicado no Obstetrics & Gynecology

* “Outcomes of Women Undergoing Excision of the Retained Cervix After Supracervical Hysterectomy” – 2021

Autores do estudo: McHale, Melissa P. MD, Smith, Anna Jo B. MD, MPH, Fader, Amanda N. MD, Wethington, Stephanie L. MD, MSc – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.