Exame genético pode indicar melhor tratamento para asma em crianças

Alterações genéticas específicas em crianças e adolescentes com asma podem identificar aqueles que não se beneficiarão do tratamento com salmeterol, agonista do receptor β2-adrenérgico de ação prolongada (LABA), relatou um pesquisador.

Para o estudo, 241 crianças e adolescentes (de 12 a 18 anos) com asma em uso de corticosteroides inalados foram aleatoriamente designados (1:1) para receber atendimento personalizado (prescrito pelo genótipo rs1042713) ou atendimento padrão com base nas diretrizes de tratamento da asma da British Thoracic Society, de acordo com Somnath Mukhopadhyay, MD e PhD da Brighton & Sussex Medical School, na Inglaterra.

As crianças, recrutadas em consultórios de clínica geral em todo o Reino Unido foram acompanhadas por 12 meses e o desfecho primário foi a mudança na qualidade de vida (QV), medida pelo Asthma Quality of Life Questionnaire (AQLQ).

Os desfechos secundários incluíram controle da asma, frequência de exacerbações e utilização de cuidados de saúde relacionados à asma, Mukhopadhyay e colegas declararam em uma apresentação virtual no Congresso Internacional da European Respiratory Society (ERS).

No grupo de medicina personalizada, as crianças com o genótipo rs1042713 foram tratadas com o inibidor de leucotrieno montelucaste como um complemento aos esteroides inalados em vez de salmeterol.

Enquanto a QV melhorou significativamente no grupo de medicina personalizada em comparação com o grupo de tratamento padrão (0,16, IC 95% 0,001-0,31, P=0,049), essa diferença estava abaixo do limite clínico de 0,25.

No entanto, em uma subanálise envolvendo crianças com duas cópias do gene do receptor β2 alterado, uma melhora de 0,42 no escore AQLQ foi observada.

Os resultados deste primeiro estudo para examinar as diferenças genéticas em crianças e adolescentes com asma como um preditor da resposta ao tratamento podem levar à medicina personalizada com base nessas diferenças, de acordo com os autores.

Mukhopadhyay disse ao MedPage Today que em um trabalho anterior ao longo de uma década, ele e seus colegas identificaram mudanças específicas no gene do receptor β2 associadas à má resposta ao tratamento adicional para asma salmeterol em crianças.

Achados dos autores

A pesquisa identificou o alelo A de rs1042713 (aminoácido Arg16) como um preditor de resposta LABA pobre, levando os pesquisadores a levantar a hipótese de que o tratamento direcionado com base neste perfil genético poderia melhorar o controle da asma em muitas crianças.

“Salmeterol funciona bem como um complemento à terapia com esteroides inalados em cerca de 65% a 70% das crianças, mas não funciona no resto”, disse Mukhopadhyay. “Conduzimos este estudo pragmático para determinar se esta abordagem de medicina personalizada seria benéfica.”

Mukhopadhyay disse que os resultados são promissores “porque mostram, pela primeira vez, que pode ser benéfico testar certas diferenças genéticas em crianças com asma” e escolher medicamentos adicionais com base nessas diferenças.

Ele acrescentou que o teste genético custa cerca de US$ 15 e pode ser disponibilizado para uso na prática geral, se houver interesse.

O pesquisador também afirmou que o efeito modesto sobre os resultados de QV no estudo pode ser devido ao fato de que o controle da asma na coorte foi geralmente bom, com apenas algumas crianças apresentando sintomas graves durante o acompanhamento de um ano.

“Acho que um teste maior é necessário, possivelmente em crianças mais doentes que visitam hospitais com frequência e faltam muitas aulas”, disse ele. “Eu também gostaria de estudar um grupo de idades mais jovens, porque há evidências de que crianças mais novas são mais afetadas. Podemos ver um efeito maior do tratamento em crianças de 5 a 11 anos”.

Conclusão dos autores

“Outros grandes ensaios são necessários com foco nas crianças com pior controle da asma para nos ajudar a determinar o papel potencial do atendimento personalizado entre crianças com asma”, disse Ruffles durante uma entrevista coletiva anterior.

O presidente da ERS, Thierry Troosters, PTe PhD da Universidade de Leuven, na Bélgica, disse durante a coletiva de imprensa que, embora os resultados do estudo tenham sido menores do que o esperado, “este é um grande passo em ser capaz de identificar um parâmetro genético que pode orientar o tratamento no futuro. Particularmente quando estamos falando de crianças que podem precisar de tratamento por um longo tempo, este é um achado muito importante. Espero que vocês [os autores] possam fazer um acompanhamento. ”

__________________________

O estudo original foi publicado no European Respiratory Society International Congress

* “Effect of controller prescribing according to rs1042713 genotype on asthma-related quality of life in young people (PACT): A randomized controlled trial”

Autores do estudo: Ruffles T, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.