Cientistas analisam distúrbios do sono em pacientes com câncer

Dois estudos recentes apresentados na reunião anual da Oncology Nursing Society abordaram um problema comum a muitos sobreviventes do câncer: o sono insuficiente.

No primeiro, os pesquisadores descobriram que quase dois terços dos pacientes com câncer gastrointestinal que receberam quimioterapia tinham altos níveis de distúrbios do sono, e que esses pacientes eram mais propensos a serem mais jovens, solteiros ou sem parceiros, tinham uma carga de comorbidade maior e menos probabilidade de serem fisicamente ativos.

Detalhes do estudo

O estudo, liderado por Yufen Lin, MSN, RN, da Escola de Enfermagem da Universidade Duke em Durham, na C arolina do Norte, foi parte de um estudo longitudinal prospectivo de pacientes com câncer gastrointestinal recebendo quimioterapia. Os participantes incluíram 405 pacientes de dois centros abrangentes de câncer, um hospital VA e quatro programas de oncologia baseados na comunidade.

Os pacientes responderam a vários questionários relacionados a sintomas e resultados, incluindo status de desempenho, distúrbios do sono, depressão e ansiedade e qualidade de vida.

  • Os pesquisadores classificaram os pacientes em três grupos:
  • Aqueles com baixa perturbação do sono (35,8% do total)
  • Aqueles com alto distúrbio do sono (48,6% do total)
  • Aqueles com distúrbio do sono muito alto (15,6% do total)

As principais diferenças nas características demográficas e clínicas nesses grupos incluíram o seguinte:

  • Os pacientes nos grupos de distúrbio do sono alto e muito alto eram mais jovens (idade média de 57,1 e 55,0, respectivamente) do que os pacientes do grupo de distúrbio do sono baixo (idade média de 60,4)
  • O número de comorbidades foi maior nos grupos de distúrbio do sono muito alto (2,7) e alto (2,5), em comparação com o grupo de distúrbio do sono baixo (2,0)
  • Da mesma forma, o número de tratamentos de câncer anteriores foi maior nos grupos muito alto (1,8) e alto (1,5), em comparação com o grupo de baixo distúrbio (1,1)

Além disso, em comparação com os pacientes do grupo de baixa perturbação do sono, os pacientes dos grupos de alta perturbação e muito alta eram mais propensos a serem mulheres, menos propensos a serem casados ​​ou parceiros, menos propensos a trabalhar e menos propensos a praticar exercícios regulares.

Pacientes nos grupos de distúrbios do sono muito altos eram mais propensos a sofrer de depressão (31,7%) e dor nas costas (33,3%), do que os pacientes com distúrbios do sono elevados (16,2% e 22,8%, respectivamente) e pacientes com distúrbios do sono baixos (4,1 % e 15,2%, respectivamente).

“Os médicos podem usar esses fatores comuns e distintos para identificar pacientes de alto risco com distúrbios do sono e iniciar a higiene do sono e encaminhamentos apropriados”, disse Lin em sua apresentação.

“Além disso, pesquisas futuras são necessárias em intervenções personalizadas de gerenciamento de sintomas”, disse ela, acrescentando que tais intervenções devem incorporar as preferências do paciente, suas experiências únicas de sintomas e tecnologias que podem reduzir ainda mais a carga de sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Segundo estudo

No segundo estudo, pesquisadores liderados por Gee Su Yang, PhD, RN, da Escola de Enfermagem da Universidade de Connecticut em Storrs, determinaram que pacientes com câncer de mama experimentam má qualidade do sono durante a quimioterapia, mas que melhora gradualmente com o tempo.

“Apenas alguns estudos examinaram as mudanças temporais de longo prazo dos distúrbios do sono e suas relações com vários fatores de risco, como promoção da saúde, perfis de estilo de vida, fatores epigenéticos e estresse percebido, bem como outros sintomas psiconeurológicos”, observou Yang em sua apresentação.

Ela e seus colegas queriam avaliar as características dos distúrbios do sono e identificar preditores que podem contribuir para o problema em sobreviventes do câncer de mama, explicou ela.

O estudo longitudinal avaliou 74 pacientes com câncer de mama em estágio inicial em cinco pontos ao longo de um período de 2 anos (linha de base antes da quimioterapia, ponto médio na quimioterapia e em 6 meses, 1 ano e 2 anos de acompanhamento).

As pacientes relataram distúrbios do sono “clinicamente significativos” na latência do início do sono, despertares no meio do sono, despertares precoces e qualidade do sono durante a quimioterapia, enquanto os despertares no meio do sono e fadiga no trabalho mostraram mudanças temporais significativas ao longo de 2 anos, disse Yang.

Além disso, os preditores significativos de distúrbios do sono incluíram:

  • Ansiedade no início do estudo, ponto médio de quimioterapia e acompanhamento de 1 ano
  • Dor na linha de base
  • Fadiga nos acompanhamentos de 6 meses e 1 ano
  • Estresse percebido nos acompanhamentos de 6 meses e 2 anos

“O nível de distúrbios do sono tem associações positivas com os níveis de vários sintomas simultâneos, fornecendo informações sobre fatores importantes que podem ser considerados para prevenir ou mitigar distúrbios do sono em sobreviventes do câncer de mama”, disse ela. “Nossa pesquisa sugere que o gerenciamento dos sintomas pode ser planejado para melhorar os distúrbios do sono, considerando que existem preditores associados em diferentes momentos.”

Yang sugeriu ainda que a autoconsciência da ansiedade, dor, fadiga e estresse percebido, bem como intervenções personalizadas para lidar com esses sintomas, podem ajudar a mitigar os distúrbios do sono ao longo da trajetória de câncer de um paciente.

___________________________

O estudo original foi publicado na Oncology Nursing Society

* “Distinct Sleep Disturbance Profiles in Patients with Gastrointestinal Cancers Receiving Chemotherapy” – 2021

Autores do estudo: Yufen Lin, MSN, RN, Donald Bailey Jr. PhD, RN, FAAN, Sharron Docherty, PhD, PNP, FAAN, Laura Porter, PhD, Bruce Cooper, PhD, Christine Miaskowski, RN, PhD, FAAN – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.