Descoberta sobre HIV abre caminho para novas e melhores terapias!

Uma nova descoberta sobre HIV (vírus da imunodeficiência humana) revelaram um novo e promissor alvo para o tratamento da infecção, que afeta mais de 40 milhões de pessoas em todo o mundo. As descobertas mostram que o código genético do vírus pode ser lido de duas maneiras diferentes pelas células infectadas pelo vírus. O resultado é que as células infectadas produzem duas formas diferentes de RNA do vírus.

Descoberta inovadora sobre HIV

“Essa diversidade funcional é essencial para a replicação do vírus no organismo. O vírus precisa ter um equilíbrio adequado entre as duas formas de RNA. Durante décadas, a comunidade científica sabia que existem duas formas estruturais diferentes de RNA do HIV – elas simplesmente não sabiam o que controla esse equilíbrio. Descobrimos que um único nucleotídeo está tendo um efeito enorme, o que é uma mudança de paradigma no entender como o HIV funciona”, diz o Dr Joshua Brown, principal autor do estudo.

Fundamentalmente, “Você pode imaginar que, se pudesse criar um medicamento que visasse o código genético naquele local específico e o mudasse para apenas uma forma, isso poderia impedir uma infecção adicional, teoricamente”, diz Brown.

Uma nova trajetória

“Uma das coisas em que estamos trabalhando agora é testar diferentes moléculas que podem mudar o equilíbrio entre as duas formas, para que possam ser potencialmente usadas como tratamento para o HIV”, diz Issac Chaudry, um dos autores do estudo.

Tratamentos mais eficazes para mais pacientes

Graças a pesquisas significativas sobre o HIV nas últimas décadas, hoje a AIDS é uma doença administrável. Ainda assim, as terapias podem ter efeitos colaterais, os regimes de medicação podem ser complexos e as opções de tratamento podem ser limitadas para pacientes com outras condições, como problemas no fígado ou nos rins.

Muitas terapias, mesmo que venham na forma de uma única pílula, contêm vários medicamentos direcionados a diferentes partes do ciclo de replicação do vírus. Isso é necessário porque o código genético do HIV, que é feito de RNA, sofre uma mutação rápida. Isso permite que o vírus se adapte e se torne resistente às terapias atuais do HIV. Se um medicamento atingir uma área que sofreu mutação em um determinado paciente, ele poderá não funcionar mais para ele. Ao usar vários medicamentos ao mesmo tempo, é mais provável que o regime continue funcionando por mais tempo.

“Mas a área do genoma do RNA do HIV em que esta nova pesquisa se concentra é “altamente conservada”. Isso significa que a taxa de mutação é menor do que em outros lugares do genoma. O resultado é “há mais chances de um medicamento que atinja essa região ser eficaz por mais tempo. Também pode significar que um medicamento seria suficiente, em vez de pacientes precisarem de vários medicamentos para realizar o trabalho. Se você está alvejando uma região conservada, pode potencialmente propor um plano de tratamento que use apenas um medicamento. Pode ter menos efeitos colaterais e oferecer mais opções de tratamento para pessoas com diferentes condições de saúde”, explica Ghazal Becker, co-autor do estudo.

Expandindo o horizonte de pesquisa

Esta nova pesquisa abre uma gama de oportunidades para o grupo de pesquisa de Brown e outros. “Estamos muito interessados ​​em ver como outros laboratórios interpretam nossos resultados, expandem-nos e possivelmente encontram outras aplicações para esse tipo de função de RNA”, diz o Dr Brown.

Esses resultados futuros e quaisquer novas terapias que eles permitam podem ter um grande impacto. “Toda vez que adquirimos um novo medicamento contra o HIV, aumentamos exponencialmente as chances de os indivíduos encontrarem um medicamento que funcione para eles, onde a resistência é um pouco menos provável. Toda vez que um novo medicamento pode entrar em cena, é uma melhora significativa na vida dos pacientes com HIV”, diz o Dr Brown.

Descoberta sobre HIV abre caminho para novas e melhores terapiasA pesquisa também pode ter efeitos além do HIV. Algumas pesquisas sobre o HIV lançaram as bases para a maneira como entendemos o coronavírus. Toda ciência básica do HIV acaba tendo um efeito cascata em toda a virologia.

O efeito cascata da descoberta sobre HIV pode ir ainda mais longe. “A idéia de que uma única diferença de nucleotídeo está mudando a estrutura e a função do RNA com milhares de nucleotídeos pode abrir um novo aspecto da biologia celular. Pode ser possível que haja genes de mamíferos que operem de maneira semelhante, e todo o mecanismo também possa ser algo aplicável a outros genes humanos. Acho que todo esse paradigma poderia fornecer uma nova perspectiva para a biologia do RNA”, conclui o Dr Issac Chaudry, um dos autores seniors do estudo.

 

_______________________

A nova descoberta sobre HIV foi publicada na super conceituada revista Science.

* “Structural basis for transcriptional start site control of HIV-1 RNA fate” – 2020.

Autores do estudo: Joshua D. Brown, Siarhei Kharytonchyk, Issac Chaudry, Aishwarya S. Iyer, Hannah Carter, Ghazal Becker, Yash Desai, Lindsay Glang, Seung H. Choi, Karndeep Singh, Michael W. Lopresti, Matthew Orellana, Tatiana Rodriguez, Ubiomo Oboh, Jana Hijji, Frances Grace Ghinger, Kailan Stewart, Dillion Francis, Bryce Edwards, Patrick Chen, David A. Case, Alice Telesnitsky, Michael F. Summers – 10.1126/science.aaz7959

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.