Estudo analisa biomarcadores sanguíneos e a doença de Alzheimer

Um grande estudo de coorte longitudinal mostrou que biomarcadores baseados no sangue são paralelos à progressão da neurodegeneração da doença de Alzheimer.

Resultados maiores de tau fosforilada na treonina 181 (p-tau181) no plasma sanguíneo a longo prazo foram relacionados com a neurodegeneração progressiva em regiões do cérebro associadas à doença de Alzheimer e declínio cognitivo em pessoas com alto nível de beta-amiloide (Aβ) cerebral, disse Michael Scholl, PhD, da Universidade de Gotemburgo na Suécia, e colegas, no JAMA Neurology.

A cadeia leve do neurofilamento plasmático (NfL), um marcador de lesão neuronal, foi ligada à progressão da doença de Alzheimer independente de β-amiloide e p-tau181 plasmático, acrescentaram.

“Este é um grande passo à frente, mostrando que os exames de sangue para patologia tau e neurodegeneração têm valor clínico para rastrear a progressão da doença em pacientes com doença de Alzheimer”, afirmou o coautor Kaj Blennow, MD, PhD, também da Universidade de Gotemburgo, para o MedPage Today.

“Nossas descobertas têm implicações claras e novas para esses testes, tanto como ferramentas de diagnóstico quanto como medidas de resultados em ensaios clínicos, pois mostramos que a medição de p-tau181 no sangue é um biomarcador confiável para a doença de Alzheimer especificamente e NfL é um marcador confiável para neurodegenerativo doenças em geral”, destacou Scholl.

O estudo adiciona à literatura que mostra os exames de sangue como potenciais viradores de jogo na doença de Alzheimer. Pesquisas anteriores mostraram que tanto p-tau181 quanto p-tau217 podem detectar Alzheimer, mas a capacidade de p-tau 181 de monitorar a progressão da doença não foi clara.

“Plasma p-tau181 e p-tau217 são promissores como biomarcadores sanguíneos da doença de Alzheimer, tanto para diagnóstico quanto para prognóstico”, disse Michelle Mielke, PhD, da Mayo Clinic em Rochester, Minnesota, que não estava envolvida com o estude. “Embora as avaliações em estudos populacionais estejam em andamento e sejam necessárias, a pesquisa atual apoia a utilidade desses marcadores para avaliar placas de beta-amilpide e emaranhados neurofibrilares e predizer declínio cognitivo entre indivíduos com queixas cognitivas”, disse ela.

“O uso de plasma p-tau181 e p-tau217 para rastrear indivíduos com deficiência cognitiva com patologia da doença de Alzheimer para terapias modificadoras da doença, especialmente focadas em beta-amiloide e tau, reduzirá significativamente os custos dos ensaios clínicos”, acrescentou Mielke. “Atualmente, uma punção lombar para a avaliação do líquido cefalorraquidiano beta-amiloide ou uma tomografia PET com amiloide são necessários para verificar se um participante potencial tem patologia amiloide. Ambos são muito mais caros e invasivos do que uma coleta de sangue.”

Características do estudo

O estudo examinou dados de 1.113 participantes no estudo de coorte da Iniciativa de Neuroimagem da Doença de Alzheimer (ADNI) de 2007 a 2016.

Amostras de sangue de acompanhamento foram realizadas por até 8 anos. Os participantes tiveram medições de p-tau181 e NfL no plasma e pelo menos um PET com fluorodeoxiglicose (FDG) radiomarcado ou varredura de ressonância magnética estrutural realizada na mesma visita do estudo.

A idade média do grupo era de 74 anos e 89% eram brancos. No geral, 378 pessoas (34%) não apresentavam deficiência cognitiva e 735 (66%) apresentavam deficiência cognitiva. Daqueles que estavam prejudicados, 537 pessoas tinham comprometimento cognitivo leve e 198 pessoas tinham demência de Alzheimer.

Os níveis basais de p-tau181 no plasma foram relacionados ao declínio cognitivo mais neurodegeneração concorrente e prospectiva nas regiões cerebrais características de Alzheimer na ressonância magnética e FDG-PET. Mudanças longitudinais em p-tau181 são correspondentes com o declínio cognitivo e o avanço da neurodegeneração nessas regiões.

Plasma p-tau181 e NfL foram independentemente associados com cognição e neurodegeneração em áreas vulneráveis ​​a Alzheimer na imagem.

Plasma p-tau181 foi especificamente relacionado com comprometimento cognitivo e neurodegeneração em pessoas que eram Aβ+. O NfL plasmático foi associado ao declínio cognitivo e à neurodegeneração em ambos os grupos Aβ+ e Aβ−.

O estudo teve várias limitações. Todos os dados vieram de uma única coorte, em grande parte com participantes brancos. Apenas cerca de metade do grupo tinha exames longitudinais de FDG-PET. Além disso, o estudo ADNI recrutou participantes que estavam relativamente livres de patologia vascular, não está claro como a patologia vascular pode afetar esses achados.

___________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Neurology

* “Longitudinal Associations of Blood Phosphorylated Tau181 and Neurofilament Light Chain With Neurodegeneration in Alzheimer Disease” – 2021

Autores do estudo: Alexis Moscoso, Michel J. Grothe, Nicholas J. Ashton, Thomas K. Karikari, Juan Lantero Rodríguez, Anniina Snellman, Marc Suárez-Calvet, Kaj Blennow, Henrik Zetterberg, Michael Schöll – 10.1001/jamaneurol.2020.4986

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.