Bebês prematuros têm maior chance de hospitalização no futuro

Bebês prematuros tiveram uma chance maior de hospitalização subsequente na infância do que aqueles nascidos a termo, de acordo com um estudo de coorte de base populacional.

Os bebês nascidos muito cedo – com menos de 28 semanas de gestação – tinham quase cinco vezes mais chances de serem internados no hospital entre 7 e 10 anos do que aqueles nascidos a termo, relatou Maria Quigley, PhD, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, e colegas.

Mesmo as crianças nascidas até 38 semanas mostraram um risco significativamente aumentado de hospitalização posterior, escreveram os pesquisadores no The BMJ.

Em todas as idades, as hospitalizações eram mais prováveis ​​de serem causadas por infecção, mas as doenças gastrointestinais e respiratórias sem infecção também levaram ao excesso de visitas ao hospital.

Em um e-mail para o MedPage Today, Quigley destacou o papel das infecções. “Estratégias voltadas para a prevenção e controle de infecções [são] importantes, especialmente em crianças nascidas prematuras, mas também naquelas nascidas algumas semanas antes do tempo”.

Quigley acrescentou que foi surpreendente ver a associação entre nascimento precoce e hospitalização na infância persistir até que as crianças tivessem 7 a 10 anos – mesmo em crianças nascidas com 38 ou 39 semanas, embora o tamanho do efeito fosse menor.

Pesquisas futuras, afirmou ela, deveriam investigar os resultados de saúde associados à idade gestacional ao nascer, idealmente, semana a semana.

“O fato de que crianças que nasceram um pouco prematuramente podem ter um risco aumentado de hospitalização por até 10 anos, acho que é algo que definitivamente vale a pena destacar”, disse David Hackney, MD, especialista em medicina materno-fetal em hospitais universitários em Cleveland.

Hackney, que não esteve envolvido nesta pesquisa, disse que ela chama a atenção para os efeitos de longo prazo e os danos contínuos do parto prematuro. “[O parto prematuro] é um dos principais problemas de saúde pública do nosso tempo que nem sempre recebe a atenção de que precisa, em relação à morbimortalidade a ele associada”, disse ele em entrevista.

Mas enquanto os pesquisadores observaram um risco aumentado em bebês nascidos apenas uma semana antes do nascimento, os efeitos são pequenos, ele acrescentou, e as implicações clínicas para bebês nascidos pouco antes do termo não são claras a partir dessas descobertas.

O nascimento prematuro é um fator de risco para doenças como doenças respiratórias, infecções e déficits de desenvolvimento neurológico. O grupo de Quigley teve como objetivo avaliar os efeitos a longo prazo da prematuridade e se o risco de doença e hospitalização diminuiu no final da infância.

Estudo e conclusão

Os pesquisadores investigaram a relação entre o nascimento precoce e a hospitalização na infância por meio do estudo TIGAR, um estudo de ligação de registros de base populacional na Inglaterra que acompanha o nascimento e as internações hospitalares durante a infância.

Eles incluíram todos os nascimentos vivos de um único filho durante 2005-2006 – mais de 1 milhão ao todo – e seguiram as crianças até 2015. Os nascidos antes das 23 semanas ou após 42 semanas não foram incluídos.

O grupo de Quigley mediu o total de internações hospitalares durante a infância, que foram relatadas durante cinco períodos diferentes, começando quando as crianças eram menores de 1 ano e continuando até os 7-10 anos. As análises incluíram ajuste para fatores de confusão, incluindo idade materna no parto, estado civil, raça e etnia, status socioeconômico, tipo de parto, sexo, mês de nascimento e pequeno para a idade gestacional.

Metade das crianças do estudo foi hospitalizada pelo menos uma vez. Cerca de 60% de todas as admissões foram emergenciais. Crianças internadas no hospital tinham maior probabilidade de nascer de mães solteiras, mais jovens, nascidas na Grã-Bretanha e de nível socioeconômico inferior. A internação hospitalar também foi associada ao parto cesáreo (como foi visto em estudos anteriores).

Durante a infância, as taxas de hospitalização em bebês nascidos com menos de 28 semanas foram seis vezes maiores do que naqueles nascidos a termo, e entre bebês nascidos com 39 semanas foi 10% maior. Aos 10 anos, no entanto, essas taxas de risco caíram para 3,28 e 1,06, respectivamente.

Entre os bebês nascidos extremamente prematuros, a causa mais comum de admissão aos 7-10 anos de idade foram doenças do sistema nervoso central, como paralisia cerebral e epilepsia.

___________________________

O estudo original foi publicado no The BMJ

* “Gestational age and hospital admissions during childhood: population based, record linkage study in England (TIGAR study)” – 2020

Autores do estudo: Victoria Coathup, Claire Carson, Samantha Johnson, Jennifer J Kurinzcuk, Alison Macfarlane, Stavros Petrou, Oliver Rivero-Arias,Maria A Quigley – 10.1136/bmj.m4075

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.