Antidepressivos são seguros para pacientes com epilepsia?

Os transtornos depressivos ocorrem em aproximadamente um terço das pessoas com epilepsia, frequentemente exigindo tratamento com antidepressivos. No entanto, a depressão geralmente não é tratada em pessoas com epilepsia, em parte devido ao medo de que os antidepressivos possam causar convulsões.

Existem diferentes classes de antidepressivos, no entanto, todos visam aumentar as substâncias químicas nervosas essenciais no cérebro, aliviando assim os sintomas depressivos.

Critério de seleção

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados (ECRs) e estudos prospectivos não randomizados de intervenções (NRSIs), investigando crianças ou adultos com epilepsia, que foram tratados com um antidepressivo e comparados com placebo, antidepressivo comparativo, psicoterapia ou nenhum tratamento para sintomas depressivos.

Coleta e análise de dados

Os desfechos primários foram mudanças nos escores de depressão (proporção com melhora superior a 50%, diferença média e proporção que alcançou remissão completa) e mudança na frequência de convulsão (diferença média, proporção com recorrência de convulsão ou episódio de estado de mal epiléptico).

Os desfechos secundários incluíram o número de participantes que desistiram do estudo e as razões para a retirada, qualidade de vida, funcionamento cognitivo e eventos adversos.

Dois revisores extraíram independentemente os dados de cada estudo incluído. Em seguida, os autores verificaram a extração de dados. O risco de viés foi analisado usando a ferramenta Cochrane para ECRs e ROBINS-I para NRSIs.

A equipe apresentou os resultados binários como taxas de risco (RRs) com intervalos de confiança de 95% (ICs) ou ICs de 99% para eventos adversos específicos. Eles também apresentaram resultados contínuos como diferenças médias padronizadas (SMDs) com ICs de 95% e diferenças médias (MDs) com ICs de 95%.

Características dos estudos

Foram encontrados dez estudos que incluíram 626 pacientes com epilepsia e depressão tratados com um antidepressivo. Quatro eram ensaios clínicos randomizados e seis eram estudos de coorte prospectivos não randomizados.

Os estudos observaram o efeito de diferentes antidepressivos, principalmente uma classe de antidepressivos denominada inibidor seletivo da recaptação da serotonina (ISRS). Um ensaio clínico randomizado e um estudo prospectivo também observaram o efeito da terapia cognitivo-comportamental na depressão.

Resultados

Levando todas as evidências em consideração, a revisão descobriu que há evidências muito limitadas de que os antidepressivos diminuem os sintomas depressivos mais do que outros tratamentos, placebo ou nenhum tratamento na epilepsia.

As informações sobre o efeito dos antidepressivos no controle das convulsões eram limitadas, no entanto, nos estudos que relataram esse resultado, não houve piora significativa das convulsões. A evidência é atual até fevereiro de 2021.

Qualidade dos estudos

Os estudos foram avaliados em relação ao viés e à qualidade. No geral, a qualidade da evidência foi classificada como moderada a baixa para os ensaios clínicos e baixa a muito baixa para os estudos de coorte prospectivos não randomizados.

Ensaios grandes e de alta qualidade de antidepressivos são necessários para examinar como as diferentes classes de antidepressivos se comparam e que impacto eles provavelmente terão no controle das crises.

Conclusão dos autores

As evidências existentes sobre a eficácia dos antidepressivos no tratamento dos sintomas depressivos associados à epilepsia ainda são muito limitadas. As taxas de resposta aos antidepressivos foram altamente variáveis.

Há evidências de baixa certeza em um pequeno ECR (64 participantes) de que a venlafaxina pode melhorar os sintomas depressivos mais do que nenhum tratamento, esta evidência é limitada ao tratamento entre 8 e 16 semanas, e não informa os efeitos de longo prazo. Evidências moderadas a baixas não sugerem nem aumento nem exacerbação das convulsões.

Não há dados comparativos disponíveis para informar a escolha do medicamento antidepressivo ou classes de medicamentos para eficácia ou segurança no tratamento de pessoas com epilepsia e depressão.

Os estudos de antidepressivos que utilizaram intervenções de outras classes de tratamento além dos ISRSs, em grandes amostras de pacientes com epilepsia e depressão, são necessários para informar melhor a política de tratamento.

Estudos futuros devem avaliar as intervenções ao longo de uma duração de tratamento mais longa para levar em conta o início tardio da ação, a sustentabilidade das respostas ao tratamento e para fornecer uma melhor compreensão do impacto no controle das crises.

___________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Antidepressants for people with epilepsy and depression” – 2021

Autores do estudo: Maguire MJ, Marson AG, Nevitt SJ – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.