Câncer na infância pode resultar em problemas neurocognitivos no futuro

Sobreviventes de câncer na infância que sofreram deficiência auditiva grave relacionada ao tratamento, apresentaram maior risco de déficits neurocognitivos, independentemente de terem recebido tratamento neurotóxico, segundo um estudo transversal.

Em uma análise de mais de 1.500 sobreviventes, aqueles com perda auditiva severa eram mais propensos a sofrer déficits de fluência e raciocínio verbal, velocidade visomotora e habilidades matemáticas em comparação com aqueles com perda auditiva leve ou audição normal, relatou Johnnie Bass, PhD, do St Jude Children’s Research Hospital em Memphis, Tennessee.

Conforme descrito na JAMA Oncology, comparado a pacientes que não receberam terapias potencialmente ototóxicas, a deficiência auditiva grave foi significativamente associada com a exposição à radioterapia coclear ou quimioterapia à base de platina.

Perda de audição e déficits neurocognitivos

“Tem havido muita pesquisa sobre como as crianças que nascem surdas podem ser afetadas academicamente e psicossocialmente, mas muito menos para crianças que adquirem perda auditiva em algum momento da infância”, disse Bass em um comunicado. “Nosso objetivo era relatar a prevalência, gravidade e risco de perda auditiva em uma grande coorte de sobreviventes de câncer para avaliar o impacto da deficiência auditiva na função neurocognitiva”.

Entre aqueles com deficiência auditiva severa, a exposição à quimioterapia contendo platina foi significativamente associada a déficits em vários domínios cognitivos, incluindo:

  • Habilidades de leitura
  • Habilidades matemáticas
  • Raciocínio verbal
  • Fluência verbal
  • Velocidade visomotora

Da mesma forma, a exposição à radioterapia coclear foi significativamente associada a déficits em:

  • Raciocínio verbal
  • Fluência verbal
  • Leitura
  • Matemática
  • Velocidade visomotora

Pacientes não expostos a esses tratamentos ototóxicos, mas com perda auditiva grave, ainda apresentavam déficits neurocognitivos nos domínios da atenção, memória, função executiva, velocidade de processamento e função acadêmica, descobriram os pesquisadores.

“Mesmo os pacientes não expostos a terapias neurotóxicas que desenvolvem déficits auditivos leves podem ter problemas com suas habilidades neurocognitivas”, disse o co-autor Kevin Krull, PhD, também do St Jude Children’s Research Hospital. “Isso torna importante identificar esses pacientes precocemente e sugerir intervenções para ajudar a melhorar sua audição e, portanto, seus resultados neurocognitivos”.

Como parte de seu estudo, os pesquisadores realizaram uma análise de mediação para examinar a associação entre radiação craniana e resultados neurocognitivos, eles descobriram que a deficiência auditiva grave representava 36% dos déficits observados na leitura, 33% na fluência verbal, 20% na memória verbal, 27% para flexibilidade cognitiva, 25% para velocidade motora fina e 17% para velocidade visomotora.

“Os pesquisadores demonstraram, pela primeira vez ao meu conhecimento, que graves deficiências auditivas mediam grande parte da associação entre TRC [radioterapia craniana] e déficits neurocognitivos entre sobreviventes de câncer infantil tratados com TRC”, escreveu Wendy Landier, PhD, CRNP, em um editorial da JAMA Oncology. “Esta é uma descoberta de particular importância, dado o potencial para remediar a deficiência auditiva”.

Limitações do estudo

Landier observou várias limitações do estudo, incluindo a falta de avaliações neurocognitivas, a falta de dados sobre fatores que podem ter prejudicado a audição dos pacientes e a frequência de uso de aparelhos auditivos (para aqueles que os usavam).

O estudo também descobriu que apenas 22,7% dos sobreviventes com perda auditiva grave usavam aparelho auditivo ou implante coclear quando indicado.

“Essas descobertas enfatizam a importância de fornecer aos pais orientações antecipadas sobre a necessidade de monitoramento audiológico e gerenciamento de crianças que recebem agentes potencialmente ototóxicos”, disse Landier.

“Os médicos pediátricos de oncologia podem promover a compreensão dos pais sobre as conseqüências críticas da perda auditiva para o desenvolvimento de uma criança pequena e estabelecer expectativas para o monitoramento audiológico contínuo e a reabilitação audiológica precoce – começando durante a terapia e continuando durante toda a recuperação. A intervenção audiológica pode ser descrita como essencial componente do cuidado da criança e considerada parte do ‘novo normal’ da criança.”

Conclusão dos autores

Para o estudo, Bass e colegas examinaram os resultados de 1.520 sobreviventes de câncer infantil que foram tratados no St Jude Children’s Research Hospital e participaram do St. Jude Lifetime Cohort Study. No geral, 62,2% da coorte apresentou audição normal após o tratamento, conforme definido pela Chang Ototoxicity Grading Scale, 14,5% apresentaram comprometimento auditivo leve e 23,2% apresentaram comprometimento grave.

A coorte incluiu 307 pacientes que receberam quimioterapia à base de platina, 473 que receberam radioterapia craniana e 740 cujo tratamento não foi considerado ototóxico. Entre esses grupos, 34,9%, 38,3% e 8,8%, respectivamente, apresentaram perda auditiva severa.

Os dados foram coletados de 2007 a 2017 e incluíram apenas pacientes que sobreviveram pelo menos 5 anos após o diagnóstico inicial de câncer e realizaram testes audiológicos e neurocognitivos. Um pouco mais dos participantes era do sexo masculino (53,6%), a idade média dos pacientes foi de 29,4 anos e o tempo médio desde o diagnóstico foi de 20,4 anos.

__________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Oncology

* “Association of Hearing Impairment With Neurocognition in Survivors of Childhood Cancer” – 2020

Autores do estudo: Johnnie K. Bass, Wei Liu, Pia Banerjee, Tara M. Brinkman, Daniel A. Mulrooney, Amar Gajjar, Alberto S. Pappo, Thomas E. Merchant, Gregory T. Armstrong, Deokumar Srivastava, Leslie L. Robison, Melissa M. Hudson, Kevin R. Krull – 10.1001/jamaoncol.2020.2822

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.