Existem evidências de que o otimismo pode prolongar a vida!

Novas pesquisas sugerem que viver de bem com otimismo pode prolongar a vida nos proteger contra ataques cardíacos, derrames e morte prematura.

O otimismo pode prolongar a vida

Na revisão de 15 estudos que envolveram coletivamente quase 230.000 homens e mulheres, os resultados foram notavelmente consistentes, acrescentaram os autores do estudo.

“Descobrimos que os otimistas tinham um risco 35% menor de complicações mais graves devido a doenças cardíacas, em comparação com os pessimistas”, disse o principal autor do estudo, Alan Rozanski, professor de cardiologia do Hospital Mount Sinai St. Luke, em Nova York.

Essa conexão mente-corpo se manteve em todas as faixas etárias, disseram os pesquisadores, variando de adolescentes a jovens de 90 anos. Isso “sugere que o otimismo pode ser um trunfo, independentemente da idade”, observou Rozanski.

Os estudos também descobriram que quanto mais positiva a pessoa, menor o risco de problemas cardíacos ou morte.

Dez dos estudos analisaram especificamente o impacto da positividade na saúde do coração, enquanto nove analisaram como a perspectiva de uma pessoa afetava seu risco de morrer devido a uma ampla gama de doenças.

Muitas das investigações fizeram perguntas básicas sobre as expectativas do futuro. Em resposta, alguns participantes indicaram que geralmente se sentiam otimistas, apesar da incerteza do que está por vir. Outros disseram que nunca assumem que as coisas vão dar certo na estrada.

Com o tempo, aqueles que tiveram pontos de vista mais positivos tiveram maior probabilidade de permanecer saudáveis ​​do coração. Alguns dos estudos da revisão indicaram que pessoas otimistas são mais hábeis na solução de problemas, melhores no desenvolvimento de mecanismos de enfrentamento e mais aptas a atingir objetivos. E esses são os tipos de habilidades que podem levar alguém a ter um interesse mais ativo em monitorar e manter sua saúde, disseram os pesquisadores.

“Estudo consistente mostrou que os otimistas têm melhores hábitos de saúde. Eles são mais propensos a ter boas dietas e exercícios” e podem ser menos propensos a fumar. O aumento de dados também sugere que o otimismo pode ter benefícios biológicos diretos, enquanto o pessimismo pode ser prejudicial à saúde. Essa conexão biológica já foi demonstrada por alguns outros fatores de risco psicológico, como a depressão”, observou Rozanski.

A positividade também pode fazer sua mágica diminuindo a inflamação e melhorando o metabolismo, sugeriram os autores.

Este não é o primeiro estudo a encontrar esse link, uma recente pesquisa publicada no Journal of the American Medical Association, em agosto, constatou que o otimismo pode prolongar a vida aumentando as chances de viver até uma idade avançada.

Olhando para o futuro, a equipe de Rozanski apontou o potencial para o desenvolvimento de novos tratamentos mente-corpo, provavelmente no campo da terapia comportamental, projetados para reduzir o pessimismo e aumentar o otimismo.

O Dr. Jeff Huffman, diretor de pesquisa em psiquiatria cardíaca do Hospital Geral de Massachusetts, EUA, escreveu um editorial que acompanhou o estudo.

Existem evidências de que o otimismo pode prolongar a vidaA revisão fornece “ainda mais evidências de que o otimismo parece ser um preditor independente de saúde cardíaca superior”, disse ele.

Quanto a isso, o Dr Huffman concordou que o otimismo está “associado a mais atividade física, dieta mais saudável e uma série de outros comportamentos saudáveis ​​no estilo de vida, e é provável que essa associação explique muito do benefício”.

Mas o otimismo também afeta os processos biológicos, acrescentou. E, finalmente, “o mecanismo pelo qual o otimismo leva a uma saúde melhor é provavelmente uma combinação de biologia e comportamento”.

Os resultados foram publicados na edição de setembro da revista científica JAMA Network Open.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.