Cirurgia bariátrica pode estar relacionada com maior expectativa de vida

A cirurgia bariátrica foi associada a uma redução no risco de morte a longo prazo e maior expectativa de vida, de acordo com pesquisadores na Suécia.

Em uma análise adicional do estudo em andamento Swedish Obese Subjects (SOS), as pessoas que se submeteram à cirurgia bariátrica tiveram um risco 23% menor de morrer durante um acompanhamento médio de 24 anos em comparação com aqueles que receberam cuidados habituais para obesidade, relatou a pesquisadora Lena Carlsson, MD, do Sahlgrenska University Hospital em Gotemburgo, e  colegas.

Este menor risco de mortalidade foi impulsionado principalmente por uma redução na morte por doença cardiovascular (DCV), das quais as mais comuns foram infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e morte súbita, afirmaram os autores no New England Journal of Medicine.

Especificamente, a cirurgia bariátrica foi associada a um risco reduzido de 30% de morte relacionada a DCV versus tratamento usual para obesidade e uma queda na mortalidade relacionada ao câncer em comparação a receber tratamento usual para obesidade, eles relataram.

No geral, aqueles que optaram pela cirurgia bariátrica ganharam uma mediana de 3 anos de vida em comparação com os pacientes que se decidiram pelo tratamento usual.

No entanto, somente a cirurgia bariátrica não foi suficiente para compensar completamente o risco de mortalidade por obesidade, já que aqueles que realizaram o procedimento ainda tiveram cerca de 5,5 anos a menos no tempo de vida do que o público em geral.

Esta descoberta, em particular, é útil para os pacientes fazerem uma escolha informada ao considerar o tratamento da obesidade, explicou Carlsson ao MedPage Today.

Ela também apontou que este é o primeiro estudo a desenvolver uma quantificação estimada de quanto a cirurgia bariátrica pode prolongar a expectativa de vida do paciente médio.

“Mas é importante destacar que nossos resultados indicam quantos anos de vida são ganhos em média”, afirmou Carlsson. “Os pacientes são diferentes e o aumento médio de 3 anos na expectativa de vida não pode ser traduzido em anos de vida ganhos para um paciente específico”.

Carlsson também explicou que parte do excesso de mortalidade remanescente após a cirurgia de obesidade – a média citada anteriormente de 5,5 anos perdidos – foi em grande parte devido a doenças que poderiam ser prevenidas.

As causas não CV mais comuns de morte no grupo de cirurgia incluíram infecções, complicações da cirurgia e outros fatores além de doenças, como alcoolismo, suicídio e trauma.

“Esperamos que esta informação aumente a conscientização dos médicos sobre a importância de oferecer um acompanhamento adequado após a cirurgia da obesidade”, explicou.

Como o estudo foi conduzido

Realizado em 480 centros de saúde primários na Suécia, o estudo SOS incluiu 2.010 adultos na faixa dos 40 anos que se submeteram à cirurgia bariátrica em comparação com 2.037 controles compatíveis.

Todos os homens deveriam ter um IMC de pelo menos 34, enquanto todas as mulheres deveriam ter um IMC de pelo menos 38.

Aqueles no grupo de cirurgia foram submetidos a bandagem gástrica, gastroplastia vertical ou cirurgias de bypass gástrico.

Os pacientes que estavam no grupo de controle compatível receberam tratamento “convencional”, não cirúrgico para obesidade. Uma limitação do estudo foi que ele “incluiu técnicas cirúrgicas raramente utilizadas hoje”, observaram os autores.

Durante o período de acompanhamento, um total de 457 mortes ocorreram no grupo de cirurgia e 539 mortes no grupo de controle.

Olhando especificamente para os pacientes cirúrgicos, apenas cinco pacientes (0,2%) morreram dentro de 90 dias da cirurgia bariátrica inicial.

Um total de 59 pacientes (2,9%) foi submetido à cirurgia de repetição, enquanto 292 (14,5%) tiveram pelo menos uma complicação da cirurgia, como um evento pulmonar, tromboembolismo, hemorragia ou infecção.

Conclusão dos autores

Esses achados de longo prazo se baseiam em muitos outros estudos anteriores, incluindo um estudo recente que descobriu uma redução de 32% no risco de mortalidade por todas as causas após quase 5 anos de acompanhamento para pacientes submetidos à cirurgia bariátrica versus tratamento não cirúrgico para obesidade.

Estratégias que identificam pacientes que estão em um risco aumentado de abuso de substâncias ou autoagressão podem melhorar as taxas de mortalidade ainda mais em pacientes de cirurgia bariátrica, afirmou o grupo de Carlsson.

______________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

* “Life Expectancy after Bariatric Surgery in the Swedish Obese Subjects Study” – 2020 

Autores do estudo: Lena M.S. Carlsson, Kajsa Sjöholm, Peter Jacobson, Johanna C. Andersson-Assarsson, Per-Arne Svensson, Magdalena Taube, Björn Carlsson, Markku Peltonen – 10.1056/NEJMoa2002449

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.