Sonata


Sonata – Bula do remédio

Sonata com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Sonata têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Sonata devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

A 4Medic não vende nenhum tipo de medicamento

Laboratório

Wyeth

Apresentação de Sonata

Sonata 5 mg: cart. c/ 10 e 20 cáps. Cada cáps. contém 5 mg de zaleplom.
Sonata 10 mg: cart. c/ 10 e 20 cáps. Cada cáps. contém 10 mg de zaleplom.

Sonata – Indicações

Sonata (zaleplom) é indicado no tratamento de curto prazo da insônia. Estudos clínicos controlados demonstraram que Sonata (zaleplom) reduz o tempo para o início do sono por até 28 dias (ver Farmacologia clínica ? Estudos clínicos). Não foi observado aumento do tempo de sono total ou diminuição do número de despertares. Em geral, deve-se restringir o uso de hipnóticos a 7-10 dias e recomenda-se reavaliar o paciente se for necessária a administração por mais de 2 a 3 semanas. Sonata (zaleplom) não deve ser prescrito em quantidades superiores a um mês de tratamento (ver Advertências).

Contra-indicações de Sonata

Nenhuma conhecida.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Sonata

O programa de desenvolvimento pré-comercialização de Sonata (zaleplom) incluiu exposições ao zaleplom em pacientes e/ou indivíduos normais de dois grupos diferentes de estudos: aproximadamente 900 indivíduos normais em estudos clínicos de farmacologia/farmacocinética e aproximadamente 2.800 exposições de pacientes em estudos de eficácia clínica placebo-controlados, que correspondem a aproximadamente 450 pacientes/ano de exposição. As condições e a duração do tratamento com Sonata (zaleplom) variaram bastante e incluíram (em categorias sobrepostas) fases abertas e duplo-cegas de estudos, pacientes internados e ambulatoriais e exposição por curto ou longo prazos. As reações adversas foram avaliadas pela coleta de eventos adversos, resultados de exames físicos, sinais vitais, peso, exames laboratoriais e ECGs. Os eventos adversos durante a exposição foram obtidos principalmente por questionamento geral e foram registrados por investigadores clínicos que utilizaram terminologia de sua própria escolha. Conseqüentemente, não é possível fornecer estimativa significante da proporção de indivíduos que apresentaram eventos adversos sem antes agrupar tipos semelhantes de eventos em número menor de categorias padronizadas de eventos. Nas tabelas a seguir utilizou-se a terminologia Costart para classificar os eventos adversos relatados. As freqüências declaradas de eventos adversos representam a proporção de indivíduos que apresentaram, pelo menos uma vez, um evento adverso decorrente do tratamento do tipo citado. Considerou-se um evento decorrente do tratamento se ocorresse pela primeira vez ou piorasse durante a terapia após avaliação basal. Eventos adversos observados em estudos placebo-controlados de curto prazo: Eventos adversos associados à descontinuação do tratamento: Em estudos clínicos de Fases II-III pré-comercialização, placebo-controlados e de grupo paralelo, 3,1% dos 744 pacientes que receberam placebo e 3,5% dos 2.069 que receberam Sonata (zaleplom) descontinuaram o tratamento devido a evento clínico adverso. Essa diferença não foi estatisticamente significante. Nenhum evento que resultou em descontinuação ocorreu com taxa ³ 1%. Eventos adversos ocorridos com incidência de 1% ou mais entre os pacientes tratados com Sonata (zaleplom) 20 mg: A Tabela apresenta, para um agrupamento de 3 estudos placebo-controlados de 28 noites com Sonata (zaleplom) nas doses de 5 mg ou 10 mg e 20 mg, a incidência de eventos adversos decorrentes do tratamento. A tabela inclui apenas os eventos ocorridos em ³ 1% dos pacientes tratados com Sonata (zaleplom) 20 mg quando a incidência nos pacientes tratados com Sonata (zaleplom) 20 mg fosse maior que a observada nos tratados com placebo. O prescritor deve ter consciência de que esses valores não podem ser utilizados para prever a incidência de eventos adversos na prática clínica usual em que as características do paciente e outros fatores são diferentes dos que prevaleceram nos estudos clínicos. Da mesma forma, as freqüências mencionadas não podem ser comparadas aos valores obtidos de outros estudos clínicos que envolveram tratamentos, usos e investigadores diferentes. Os valores mencionados, no entanto, fornecem ao médico prescritor uma base para estimativa da contribuição relativa dos fatores medicamentosos e não-medicamentosos para a taxa de incidência de eventos adversos na população estudada (ver Tabela). Outros eventos observados durante a avaliação de pré-comercialização de Sonata (zaleplom): A seguir, encontra-se uma relação dos termos Costart com os eventos adversos decorrentes do tratamento, relatados por pacientes tratados com Sonata (zaleplom) nas doses entre 5 e 20 mg/dia, durante estudos clínicos de Fases II e III de pré-comercialização nos Estados Unidos, Canadá e Europa com aproximadamente 2.800 pacientes. Todos os eventos relatados foram incluídos, com exceção dos já mencionados na Tabela ou em outra parte da bula e os eventos cuja causa medicamentosa fosse remota e os termos de evento tão gerais a ponto de não serem informativos. É importante enfatizar que, embora os eventos relatados tenham ocorrido durante o tratamento com Sonata (zaleplom), não foram necessariamente causados pelo medicamento. Os eventos são ainda classificados por sistema corporal e relacionados em ordem decrescente de freqüência de acordo com as seguintes definições: eventos adversos freqüentes ocorrendo em uma ou mais ocasiões em no mínimo 1/100 pacientes; eventos adversos infreqüentes ocorrendo em menos de 1/100 pacientes, mas em no mínimo 1/1.000 pacientes; eventos raros ocorrem em menos de 1/1.000 pacientes. Corpo como um todo: Freqüentes: dor nas costas, dor torácica; infreqüentes: dor torácica subesternal, calafrios, edema facial, edema generalizado, ressaca, rigidez no pescoço. Sistema cardiovascular: Freqüentes: enxaqueca; infreqüentes: angina pectoris, bloqueio de ramo, hipertensão, hipotensão, palpitação, síncope, taquicardia, vasodilatação, extra-sístoles ventriculares; raros: bigeminia, isquemia cerebral, cianose, derrame pericárdico, hipotensão postural, embolia pulmonar, bradicardia sinusal, tromboflebite, taquicardia ventricular. Sistema digestivo: Freqüente: constipação, boca seca; infreqüentes: eructação, esofagite, flatulência, gastrite, gastroenterite, gengivite, glossite, aumento do apetite, melena, ulceração na boca, hemorragia retal, estomatite; raros: estomatite aftosa, dor biliar, bruxismo, cardioespasmo, queilite, colelitíase, úlcera duodenal, disfagia, enterite, hemorragia gengival, aumento da salivação, obstrução intestinal, testes de função hepática anormais, úlcera péptica, descoloração da língua, edema da língua, estomatite ulcerativa. Sistema endócrino: Raros: diabetes mellitus, bócio, hipotireoidismo. Sistemas hematológico e linfático: Infreqüentes: anemia, equimose, linfadenopatia; raros: eosinofilia, leucocitose, linfocitose, púrpura. Metabólico e nutricional: Infreqüentes: edema, gota, hipercolesterolemia, sede, ganho de peso; raros: bilirrubinemia, hiperglicemia, hiperuricemia, hipoglicemia, reação hipoglicêmica, cetose, aumento da TGO, aumento da TGP, perda de peso. Sistema musculoesquelético: Freqüente: artrite; infreqüentes: artrose, bursite, distúrbio articular (principalmente inchaço, rigidez e dor), miastenia, tenossinovite; raros: miosite, osteoporose. Sistema nervoso: Freqüentes: depressão, hipertonia, nervosismo, pensamento anormal (principalmente dificuldade de concentração); infreqüentes: andar anormal, agitação, apatia, ataxia, parestesia circum-moral, confusão, instabilidade emocional, euforia, hiperestesia, hipercinesia, hipotonia, incoordenação, insônia, diminuição da libido, neuralgia, nistagmo; raros: estímulo do SNC, delírios, disartria, distonia, paralisia facial, hostilidade, hipocinesia, mioclonos, neuropatia, retardo psicomotor, ptose, diminuição dos reflexos, aumento dos reflexos, fala durante o sono, sonambulismo, fala arrastada, estupor, trismo. Sistema respiratório: Freqüentes: bronquite; infreqüentes: asma, dispnéia, laringite, pneumonia, ronco, alteração de voz; raros: apnéia, soluços, hiperventilação, derrame pleural, aumento de catarro. Pele e anexos: Freqüentes: prurido, erupção; infreqüentes: acne, alopecia, dermatite de contato, pele seca, eczema, erupção maculopapular, hipertrofia cutânea, sudorese, urticária, exantema vesiculobolhoso; raros: melanose, psoríase, erupção pustular, manchas na pele. Sentidos: Freqüentes: conjuntivite; infreqüentes: diplopia, olhos secos, fotofobia, tinido, lacrimação; raros: anormalidade de acomodação, blefarite, catarata especificada, erosão corneana, surdez, hemorragia ocular, glaucoma, labirintite, descolamento da retina, perda de paladar, defeito de campo visual. Sistema geniturinário: Infreqüentes: dor na bexiga, dor na mama, cistite, diminuição do jato urinário, disúria, hematúria, impotência, cálculo renal, dor nos rins, menorragia, metrorragia, freqüência urinária, incontinência urinária, urgência urinária, vaginite; raros: albuminúria, atraso do período menstrual, leucorréia, menopausa, uretrite, retenção urinária, hemorragia vaginal.

Sonata – Posologia

A dose de Sonata (zaleplom) deve ser individualizada. A dose recomendada de Sonata (zaleplom) para a maioria dos adultos não-idosos é de 10 mg. Para alguns indivíduos de baixo peso, 5 mg podem ser suficientes. Embora o risco de alguns eventos associados ao uso de Sonata (zaleplom) aparentemente sejam dependentes da dose, demonstrou-se que a dose de 20 mg é adequadamente tolerada e pode ser considerada para o eventual paciente que não responder a uma tentativa com dose mais baixa. Não se recomendam doses acima de 20 mg por não terem sido adequadamente estudadas. Sonata (zaleplom) deve ser tomado imediatamente antes de deitar ou após o paciente ter se deitado e ter sentido dificuldades para dormir (ver Precauções). Tomar Sonata (zaleplom) durante ou imediatamente após refeição pesada rica em gorduras resulta em absorção mais lenta e seria de se esperar que o efeito de Sonata (zaleplom) sobre a latência do sono seja reduzido (ver Farmacologia clínica). Populações especiais: Pacientes idosos e os debilitados parecem ser mais sensíveis aos efeitos de hipnóticos e respondem a 5 mg de Sonata (zaleplom). A dose recomendada para esses pacientes, portanto, é de 5 mg. Não se recomenda a administração de doses superiores a 10 mg. Insuficiência hepática: Pacientes com insuficiência hepática leve a moderada devem ser tratados com Sonata (zaleplom) 5 mg por apresentarem depuração plasmática reduzida. Não se recomenda o uso de Sonata (zaleplom) em pacientes com insuficiência hepática grave. Insuficiência renal: Não é necessário ajuste de dose em pacientes com insuficiência renal leve a moderada. Sonata (zaleplom) não foi adequadamente estudado em pacientes com insuficiência renal grave. Em pacientes tratados concomitantemente com cimetidina, deve-se administrar dose inicial de 5 mg porque há diminuição da depuração plasmática de zaleplom nessa população (ver Interações medicamentosas).

Sonata – Informações

Embora Sonata (zaleplom) seja um agente hipnótico estruturalmente diferente dos benzodiazepínicos, barbitúricos ou outros fármacos com propriedades hipnóticas conhecidas, ele interage com o complexo receptor GABA-BZ. Sugere-se a hipótese de que a modulação da subunidade do complexo macromolecular de canal de cloreto do receptor GABA-BZ seja responsável por algumas das propriedades farmacológicas dos benzodiazepínicos em modelos animais, entre elas, efeitos sedativo, ansiolítico, relaxante muscular e anticonvulsivante. Outros estudos não-clínicos também demonstraram que zaleplom liga-se seletivamente ao receptor cerebral ômega-1 localizado na subunidade alfa do complexo receptor GABAA e potencializa a ligação do t-butil-biciclofosforotionato. Os estudos de ligação de zaleplom a receptores GABAA purificados (a1b1g2 [ômega-1] e a1b1g2 [ômega-2]) demonstraram que zaleplom apresenta baixa afinidade por esses receptores, ligando-se preferencialmente ao receptor ômega-1.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.