Anfotericina b e Tetraciclina


Anfotericina b e Tetraciclina – Bula do remédio

Anfotericina b e Tetraciclina com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Anfotericina b e Tetraciclina têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Anfotericina b e Tetraciclina devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

A 4Medic não vende nenhum tipo de medicamento

Referência

Talsutin (Bristol)

Apresentação de Anfotericina b e Tetraciclina

TALSUTIN creme vaginal é apresentado em bisnaga com 45g e 10 aplicadores descartáveis com
capacidade para 4g.
Cada 4g (1 aplicação) de TALSUTIN creme vaginal contém tetraciclina equivalente a 100mg de
cloridrato de tetraciclina e 50mg de anfotericina B. Ingredientes inativos: vaselina branca, promulgem
tipo D, sorbitol, propilenoglicol, metilparabeno, bissulfito de sódio, ácido cítrico, propilparabeno,
emulsão antiespumante e água purificada.

Anfotericina b e Tetraciclina – Indicações

TALSUTIN é indicado no tratamento de vulvovaginites e colpites causadas por Candida, tricomonas
e/ou bactérias, ou quando não houver condições de identificar o agente etiológico. É indicado também
na pós-cauterização do colo uterino, na prevenção de infecções, acelerando deste modo, o processo
de cicatrização.

Contra-indicações de Anfotericina b e Tetraciclina

TALSUTIN é contra-indicado em pacientes com histórico de reação de hipersensibilidade a qualquer
dos componentes da formulação, em especial o propilenoglicol e os parabenos. Também não deve
ser utilizado em pacientes sensíveis ao bissulfito de sódio, especialmente os pacientes com histórico
de asma ou alergia, uma vez que esta substância pode causar reações alérgicas com sintomas
anafiláticos e de broncoespasmo.
TALSUTIN não deve ser usado durante a gravidez ou lactação devido à possibilidade de efeitos
adversos no desenvolvimento dos ossos e dentes das crianças.

Advertências

O produto deve ser utilizado apenas para uso externo. Portanto, deve ser mantido longe dos olhos,
nariz e boca.
TALSUTIN praticamente não apresenta toxicidade, porém da mesma forma que ocorre com qualquer
outro produto para aplicação vaginal, poderá eventualmente produzir sensação de ardor ou prurido
em pacientes hipersensíveis. Caso isto ocorra, o tratamento poderá ser interrompido se a
sintomatologia persistir ou se agravar.
TALSUTIN pode causar urticária devido à presença de parabenos (metilparabeno e propilparabeno)
em sua formulação. Também é possível o aparecimento de sequelas tardias como dermatite de
contato. Raramente ocorrem reações imediatas como urticária e broncoespasmo
Por conter como ingrediente inativo bissulfito de sódio, TALSUTIN creme vaginal pode causar reações
alérgicas com sintomas de anafilaxia e broncoespasmo em pacientes sensíveis, em especial
pacientes com histórico de asma ou alergias.
Devem ser tomadas medidas contraceptivas durante o tratamento de mulheres em idade fértil, tendo
em vista a ausência de estudos relativos à influência de TALSUTIN sobre as células reprodutoras
femininas (óvulos).
As aplicações não deverão ser interrompidas durante o período menstrual.
Precauções higiênicas: A fim de afastar a possibilidade de reinfecção, observar rigorosa higiene
pessoal. As mãos devem ser cuidadosamente lavadas antes de aplicar o creme. Além das medidas
higiênicas habituais, as seguintes precauções são de grande valor para prevenir a reinfecção.
1) Após cada micção, enxugar a vulva, sem friccionar o papel higiênico.
2) A fim de evitar uma possível propagação de germes do reto para o trato vaginal, após a defecação,
cuidar para que o material possivelmente infectado não entre em contato com a genitália.
3) Toalhas e lençóis, assim como roupas íntimas devem ser trocados diariamente, fervidos e lavados
com detergente a cada troca. Recomenda-se que os pacientes usem roupas íntimas fervidas durante
o período da doença.

Uso na gravidez de Anfotericina b e Tetraciclina

A segurança para uso durante a gravidez não foi estabelecida. Drogas contendo tetraciclina
demonstraram ter efeitos adversos nos dentes e nos ossos durante o desenvolvimento do feto, recém
nascidos, bebês e crianças pequenas.
Categoria de risco na gravidez: B
Este produto não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.
Uso na lactação
A segurança para uso durante a lactação não foi estabelecida.

Interações medicamentosas de Anfotericina b e Tetraciclina

A tetraciclina um dos componentes do TALSUTIN, é absorvida em quantidades muito pequenas após
a administração vaginal (ver CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS/Toxicologia). Portanto, as
interações conhecidas do uso sistêmico de tetraciclinas são admitidamente possíveis, porém nunca
foram relatadas ao longo dos muitos anos de uso do TALSUTIN.
Também foram descritas interações após o uso sistêmico da anfotericina B, o outro componente ativo
do TALSUTIN. De acordo com o atual estágio de conhecimento, a anfotericina B não é absorvida
através da pele e de membranas mucosas e, portanto, neste caso, as interações sistêmicas são
improváveis.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Anfotericina b e Tetraciclina

Como qualquer preparação de uso intravaginal, TALSUTIN poderá produzir prurido e ardor em
pacientes hipersensíveis aos componentes do produto.
A administração tópica resulta em níveis séricos baixos: portanto, é muito improvável que ocorram
efeitos colaterais sistêmicos.

Anfotericina b e Tetraciclina – Posologia

Um aplicador cheio (4g) de TALSUTIN creme vaginal, durante 7 a 10 dias, administrado por via
intravaginal.
Em casos mais graves, quantidades maiores (2 aplicadores cheios) são necessárias, variando o
tempo de utilização de acordo com a resposta clínica.
As aplicações não deverão ser interrompidas durante o período menstrual.

Superdosagem

Não são conhecidos casos e sintomas relativos ao uso em grandes quantidades não recomendadas de TALSUTIN.

Características farmacológicas

Farmacologia Clínica
As vulvovaginites e colpites mais comuns são causadas por Trichomonas vaginalis e por Candida
albicans. A candidíase genital ocorre com maior freqüência após terapêutica antibiótica ou
corticoterapia. Sua ocorrência tem sido relatada com crescente freqüência em mulheres submetidas a
tratamento oral com agentes específicos contra tricomonas e durante o uso de anticoncepcionais
orais. Outros fatores que aumentam a suscetibilidade à candidíase vaginal são diabetes mellitus,
perturbações endócrinas, distúrbios nutritivos e debilidade.
A anfotericina B, um dos componentes ativos do TALSUTIN, possui atividade efetiva contra Candida
albicans e tem sido amplamente usada sob a forma tópica no tratamento da candidíase genital.
A anfotericina B possui também ação profilática, agindo contra a excessiva proliferação de Candida,
causada pela alteração da flora vaginal pela tetraciclina. A tricomoníase geralmente se apresenta
associada a outras infecções bacterianas e micóticas e raramente se encontra isolada.
A anfotericina B é ativa contra numerosos blastomicetes (leveduras) humanos e animais. Não é eficaz
contra bactérias, ricketsia, vírus e dermatófitas.
A ação da anfotericina é fungistática ou fungicida, dependendo da concentração. Não se relatou
resistência primária à anfotericina B desde o seu isolamento, em 1956.
Apesar do amplo uso da anfotericina B no tratamento de infecções fúngicas, não foram observadas
cepas resistentes. In vitro, as cepas resistentes de Candida, com resistência cruzada a nistatina,
foram cultivadas sob condições extremas.
Até o momento, não foi relatado desenvolvimento de resistência de Candida, sob condições clínicas,
em relação à anfotericina B.
A anfotericina B provavelmente se liga a esteróides da membrana celular do fungo, levando a uma
alteração da permeabilidade celular e à perda de íons de potássio e de outras moléculas.
As tricomoníases raramente são infecções simples. Encontram-se freqüentemente associadas com
infecções bacterianas mistas. Tricomonas e bactérias vivem em perfeita simbiose. Algumas pacientes,
portadoras de tricomonas, apresentam exacerbação da sintomatologia depois que esta associação
simbiótica se manifesta. A utilização do glicogênio das paredes vaginais pelas tricomonas e a
conseqüente elevação do pH vaginal estimulam a invasão bacteriana.
A ação principal da tetraciclina, o outro componente ativo do TALSUTIN, é eliminar as bactérias que
favorecem a proliferação das tricomonas, rompendo o ciclo simbiótico.
A tetraciclina é ativo contra bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, micoplasma, clamídia,
ricketsia e também contra tricomonas em simbiose com bactérias.
Está demonstrada a resistência cruzada entre a tetraciclina e seus vários derivados. O
desenvolvimento de resistência por patógenos à tetraciclina durante a terapia ocorre apenas muito
lentamente, se ocorrer de forma completa.
Ao que parece, a ação das substâncias ativas desse produto possui efeito local, uma vez que elas
não são absorvidas através da pele em quantidade suficiente para ação sistêmica.
O efeito inibitório da tetraciclina na formação da parede celular e na síntese de RNA é aumentado de
forma sinérgica pela anfotericina B.
Toxicologia
Tolerância tópica
TALSUTIN creme vaginal foi muito bem tolerado e raramente têm sido relatadas urticária e irritação
local.
Após aplicação vaginal única de TALSUTIN, demonstrou-se que a anfotericina B não foi detectada e
somente quantidades muito pequenas de tetraciclina foram detectadas na urina. Nenhuma dessas
substâncias foi detectada no sangue.
Carcinogenicidade
Não estão disponíveis investigações sobre carcinogenicidade, uma vez que a duração recomendada
do tratamento com anfotericina B + tetraciclina é de apenas 10 dias. Portanto, como TALSUTIN creme
vaginal não é destinado para uso por longo prazo, os estudos de carcinogenicidade não são
necessários.
Mutagenicidade
Estudos in vitro realizados em células de camundongos com carcinoma, em leucócitos humanos, embrioblastos humanos, bactérias intestinais e in vivo em hamsters demonstraram efeito mutagênico
da tetraciclina. Apesar do vasto uso de TALSUTIN, não foi observada relevância clínica nestes
estudos de mutagenicidade.
Toxicidade na reprodução
Não se tem experiência suficiente sobre o uso de tetraciclinas durante a gravidez. A tetraciclina pode
ser depositada na fase de mineralização nos íons de cálcio nos ossos e dentes. Isto leva a danos nos
dentes e diminui o crescimento ósseo. Estudos em animais mostraram indicações de efeitos
embriotóxicos/teratogênicos.
A tetraciclina atinge o leite materno. O tratamento de mães durante a lactação pode causar danos
graves às crianças (possibilidade de depósitos nos dentes, descoloração dental e distúrbios na flora
intestinal), podendo ocorrer também aumento da pressão intracraniana.
Anfotericina B
Visto que não pode ser detectado absorção de anfotericina B após aplicação vaginal, a ocorrência de
toxicidade sistêmica com esta substância é improvável.
Carcinogenicidade/Mutagenicidade
Não há informações disponíveis sobre a carcinogenicidade e mutagenicidade da anfotericina B. Estes
dados não são necessários, visto que primeiramente, a anfotericina B não é absorvida após
administração vaginal e também porque TALSUTIN creme vaginal não está direcionado para
tratamentos a longo prazo.
Toxicidade na reprodução
Estudos de toxicidade reprodutiva com a anfotericina B em ratos, camundongos e coelhos não
demonstraram indicações de teratogenicidade.
Farmacocinética e Biodisponibilidade
Dependendo da condição da mucosa, a tetraciclina e, improvavelmente, a anfotericina B podem ser
absorvidas quando aplicadas na região genital.

Resultados de eficácia

Patrono et al avaliaram 35 mulheres com corrimento vaginal sendo que 24 receberam a associação
Anfotericina b e Tetraciclina sob a forma de creme vaginal durante 7 a 10 dias com uma aplicação
diária e 11 pacientes foram tratados por 7 dias com 2 aplicações diárias. Foram avaliados os
resultados clínicos, microbiológicos e a aceitabilidade da paciente em relação ao tratamento.
A maioria dos casos apresentou infecção mista por C.albicans e outros agentes (por exemplo:
enterococus, Haemophylus vaginalis, Stafilococos aureus)
No primeiro grupo, 87,5% das pacientes apresentaram cura clínica e bacteriológica após o primeiro
ciclo de tratamento e 12,5% após o segundo ciclo. No segundo grupo, 81,8% apresentaram cura
clínica e bacteriológica após o primeiro ciclo de tratamento e 18,2% após o segundo ciclo.
Outro estudo foi realizado por Moreto et Villani em 28 pacientes com candidíase e 32 pacientes com
tricomoníase, três casos eram de associação candida e tricomonas. Oito pacientes tinham infecção
mista por candida, tricomonas e outras bactérias. As pacientes utilizaram a associação Anfotericina b e Tetraciclina duas vezes ao dia por um período de 10 a 20 dias.
No grupo de 28 pacientes com vaginite por candida 61% curaram após o primeiro ciclo e 11% após o
segundo ciclo (total de 72%) e 10% melhoraram os sintomas.
No grupo de 32 pacientes com vaginite por tricomonas 63% curaram após o primeiro ciclo e 6% após
o segundo ciclo (total 69%). 15,5% apresentaram melhora nos sintomas.
Em apenas um caso no grupo de vaginites por tricomonas houve necessidade de suspender o
tratamento por intolerância local devido a prurido e leve edema vaginal. Nos outros casos a
tolerabilidade foi excelente não ocorrendo nenhum evento adverso, nem local nem geral.
Dos três casos de infecção vaginal associada (candida e trichomonas), dois curaram após um ciclo de
tratamento e o terceiro após um ciclo de 15 dias de tratamento houve cura da tricomoníase e melhora
na melhora da candidíase.
Brenciaglia et al avaliaram a utilização de Anfotericina b e Tetraciclina em vaginites causadas por
mycoplasma e em estudo comparativo com partricine, nifuratel e clotrimazol. Cultura de secreção
vaginal foi realizada em 400 mulheres com prurido vaginal e leucorréia. A positividade para
mycoplasma foi de 44,5%. O desaparecimento dos sintomas coincidiu com a negativação das culturas
para mycoplasma após administração de anfotericina e tetraciclina. No outro braço, a terapia
comparativa mostrou-se totalmente ineficaz.
Rubin et al desenvolveram um estudo com pacientes apresentando leucorréia. Estas pacientes foram
divididas em dois grupos: 54 pacientes receberam Anfotericina b e Tetraciclina por 7 dias e outro
grupo, de 39 pacientes, recebeu o mesmo esquema terapêutico por quatro dias.
No grupo 1 (54 pacientes) 68% apresentaram cura e 32% permaneceram com sintomas leves ou
residuais ou leucorréia residual leve.
No grupo 2 (39 pacientes) 86% apresentaram cura, concluindo que tetraciclina e anfotericina B foi
efetiva no tratamento de leucorréia devido a ampliado espectro etiológico, com nenhum registro de
evento adverso.
Baiocchi estudou a utilização da associação Anfotericina b e Tetraciclina nos casos de colpites e
cervicites. Baseado em estudos anteriores, quando Baiocchi e Salles avaliaram e comprovaram a
eficácia terapêutica da associação anfotericina B com tetraciclina em colpites causadas por
H.vaginalis e Baiocchi avaliou outras 71 pacientes e evidenciou remoção precoce da sintomatologia e
reepitilização mais rápida das lesões em 69,6% dos casos, Baiocchi propôs observar uma casuística
mais numerosa em relação a negativação dos sintomas e sinais clássicos, bem como a mais rápida
reepitilização, através da associação tetraciclina e anfotericina B.
160 pacientes portadoras de cervicites crônicas e/ou ectopias foram submetidas ao tratamento indutor
endocervical (cautério-frio) seguido de utilização no pós cautério frio imediato de um creme vaginal a
base da associação de tetraciclina e anfotericina B. Em 152 pacientes (95%) o resultado foi
considerado bom, com reepitilização mais rápida das lesões e remoção da sintomatologia
precocemente: 33% dos pacientes apresentaram resposta muito rápida (inferior a 15 dias), 62% das
pacientes resposta rápida (entre 15 a 30 dias) e 5% resposta lenta.
Os resultados satisfatórios obtidos com o uso de associação tetraciclina e anfotericina B no pós
cautério relacionaram-se à remoção das queixas em 95% dos casos e aceleração do processo de
reepitilização, concluído em até 30 dias ao invés de em até 90 dias como ocorre geralmente sem o
uso associado de fármacos.

Modo de usar

Para aplicar o produto, a paciente deve deitar-se de costas, com as pernas dobradas e o aplicador
deve ser introduzido na vagina suavemente, sem causar desconforto, o mais profundamente possível.
Em seguida, empurrar lentamente o êmbolo com o dedo indicador até o final de seu curso,
depositando assim todo o creme na vagina.
Após a aplicação, o aplicador deve ser imediatamente descartado.
Cuidados de conservação após abertura do tubo
Durante a fabricação do produto é possível a entrada de ar na bisnaga, porém, isto não afeta o peso
final nem a qualidade do produto. Para melhor conservação, o tubo deve ser armazenado no cartucho
com a tampa para baixo.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Uso pediátrico
A segurança para o uso em crianças com menos de 11 anos de idade não foi estabelecida.
Uso geriátrico
Não há informações disponíveis com relação a efeitos da anfotericina B e da tetraciclina sobre a
população geriátrica. No entanto, não são esperados problemas específicos que possam limitar o uso
desta medicação em idosos.

Armazenagem

TALSUTIN creme vaginal deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15ºC e 30º C),
evitando-se o congelamento. Para melhor conservação, o tubo deve ser armazenado no cartucho com a tampa para baixo.

Dizeres legais

Reg. MS – 1.0180.0073
Farm. Bioq. Resp.: Dra Tathiane Aoqui de Souza
CRF-SP nº 26.655
Fabricado por, Embalado por, Distribuído por, :
BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA.
Rua Carlos Gomes, 924 – Santo Amaro – São Paulo ? SP
CNPJ 56.998.982/0001-07-Indústria Brasileira
***Serviço de Atendimento ao Consumidor
***0800 727 61 60
***sac.brzbms.com
***www.bristol.com.br

Data da bula

Jan 12 2009 12:00AM

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.