Leuprolida 3,75 e 7,5 mg


Leuprolida 3,75 e 7,5 mg – Bula do remédio

Leuprolida 3,75 e 7,5 mg com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Leuprolida 3,75 e 7,5 mg têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Leuprolida 3,75 e 7,5 mg devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

A 4Medic não vende nenhum tipo de medicamento

Referência

Lupron Depot (Abbott)

Apresentação de Leuprolida 3,75 e 7,5 mg

LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg: embalagem com 1 frascoampola
de dose única, 1 ampola de diluente, 1 seringa e 2 agulhas (Lista nº G754) ?
Via intramuscular.
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 7,5 mg: embalagem com 1 frasco-ampola
de dose única, 1 ampola de diluente, 1 seringa e 2 agulhas (Lista nº 3629) ? Via
intramuscular.

Leuprolida 3,75 e 7,5 mg – Indicações

Neoplasia da próstata: LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg e
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 7,5 mg são indicados no tratamento
paliativo da neoplasia avançada da próstata, oferecendo uma alternativa ao
tratamento quando igualmente a orquiectomia ou estrogenoterapia não forem
indicadas ou aceitáveis para o paciente. Nos estudos clínicos realizados, a
segurança e eficácia do LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) não diferem
daquelas obtidas com o uso diário da injeção subcutânea.
Fibroma uterino: LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg é indicado no
tratamento do leiomioma uterino (fibroma uterino) por um período de até seis meses.
A terapêutica pode ser pré-operatória, antes da miomectomia ou histerectomia, ou
pode proporcionar alívio sintomático, no período perimenopáusico, para a mulher
que não deseja submeter-se à cirurgia.
Endometriose: LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg é indicado no
tratamento da endometriose por um período de seis meses. Pode ser utilizado em
monoterapia (terapêutica isolada) ou como adjuvante ao tratamento cirúrgico.
Câncer de mama: LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg está indicado,
em associação ao tamoxifeno, para o tratamento do câncer de mama avançado em
mulheres na pré e na peri-menopausa, no qual a hormônio-terapia é indicada.
Puberdade precoce: LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 7,5 mg e LUPRON
DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg podem ser combinados para obter a
posologia necessária para o tratamento de crianças com puberdade precoce central.
A seleção de crianças deve ser feita utilizando-se os seguintes critérios:
1. Diagnóstico clínico de puberdade precoce central (idiopática ou neurogênica)
com início das características sexuais secundárias antes de 8 anos de idade em
meninas e de 9 anos em meninos.
2. Confirmação do diagnóstico clínico antes do início da terapia:
Resposta puberal ao teste de estimulação com GnRH. Deve-se conhecer a
sensibilidade e a metodologia do teste.
Idade óssea avançada em um ano, em relação à idade cronológica.
3. A avaliação basal deve também incluir:
Medidas de altura e peso.
Níveis de esteróides sexuais.
Níveis de esteróides adrenais, para excluir hiperplasia adrenal congênita.
Nível de beta-HCG, para excluir um tumor secretor de esteróides.
Ultrassom pélvico/adrenal/testicular, para excluir um tumor secretor de
esteróides.
Tomografia cefálica, para excluir um tumor intracraniano.

Contra-indicações de Leuprolida 3,75 e 7,5 mg

LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) é contra-indicado a pacientes com
conhecida hipersensibilidade ao acetato de leuprolida, ou a nonapeptídeos similares
ou a qualquer um dos excipientes.
Casos isolados de anafilaxia foram reportados com a formulação de uso mensal de
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida).
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) é contra-indicado a mulheres grávidas ou
que possam engravidar durante o tratamento. Quando administrado em coelhas no
sexto dia de gestação nas doses testadas de 0,00024; 0,0024 e 0,024 mg/kg (1/600
a 1/6 da dose recomendada em humanos adultos e 1/1200 a 1/12 da dose
pediátrica recomendada) produziu um aumento dependente da dose nas principais
anomalias fetais. Estudos semelhantes em ratos não demonstraram um aumento de
malformações fetais. Houve um aumento da mortalidade fetal e diminuição do peso
fetal com as duas doses maiores de acetato de leuprolida em coelhos e com a dose
mais elevada em ratos. Os efeitos sobre a mortalidade fetal são conseqüências
lógicas das alterações nos níveis hormonais causadas pela substância. Portanto
existe possibilidade de aborto espontâneo se este medicamento for administrado
durante a gravidez.
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) não deve ser administrado em pacientes
com sangramento vaginal de causa não diagnosticada.

Advertências

Neoplasia de próstata: casos isolados de piora dos sinais e sintomas durante as
primeiras semanas de tratamento com acetato de leuprolida suspensão de depósito
foram relatados. Um pequeno número de pacientes pode relatar aumento
temporário na dor óssea. Assim como com outros agonistas do LH-RH, foram
observados casos isolados de obstrução uretral e compressão da medula espinal
em pacientes com metástases vertebrais, o que pode contribuir para paralisias com
ou sem complicações fatais. Nos pacientes sob risco, deve-se iniciar a terapêutica
com LUPRON (acetato de leuprolida) – apresentação para uso subcutâneo diário,
nas primeiras duas semanas, para facilitar a interrupção do tratamento, caso isso
seja necessário.
Pacientes com lesões vertebrais metastáticas e/ou obstrução do trato urinário
devem ser observados atentamente nas primeiras semanas de tratamento.
Endometriose/fibroma uterino: durante a fase inicial da terapia, ocorre um
aumento temporário dos esteróides sexuais, em relação ao basal, devido ao efeito
fisiológico da droga. Isto pode levar a um aumento dos sintomas e sinais clínicos
durante os primeiros dias de tratamento, mas que desaparecem com a continuidade
do tratamento, em doses adequadas. No entanto, casos de sangramento vaginal
intenso com necessidade de intervenção médica ou cirúrgica foram reportados com
o uso contínuo de acetato de leuprolida para tratamento de leiomioma uterino
submucoso.
O uso seguro de LUPRON DEPOT? (acetato de leuprolida) durante a gestação não
foi estabelecido clinicamente. Antes de iniciar o tratamento, recomenda-se verificar
se a paciente não está grávida. LUPRON DEPOT? (acetato de leuprolida) não é um
contraceptivo. Se a contracepção for necessária, deve ser utilizado um método
contraceptivo não hormonal.
Densidade mineral óssea: perda óssea pode ocorrer quando um medicamento
provoca um estado hipoestrogênico, à semelhança do que ocorre na menopausa
natural. A perda óssea pode ser reversível após a retirada do medicamento.
Exames laboratoriais: a resposta ao acetato de leuprolida deve ser monitorada
pela avaliação dos níveis plasmáticos de testosterona, assim como do antígeno
prostático específico. Na maioria dos pacientes os níveis de testosterona se elevam
acima dos valores basais na primeira semana de tratamento, retornando a esses
valores ou abaixo deles no final da segunda semana. Níveis de castração são
alcançados dentro de 2 a 4 semanas e, uma vez obtidos, são mantidos pelo tempo
que o paciente utilizar o fármaco.
Carcinogênese, mutagênese, prejuízo da fertilidade, teratogênese: foi realizado
um estudo de carcinogenicidade de dois anos em ratos e camundongos. Em ratos,
foi notada uma incidência dose-relacionada de hiperplasia hipofisária e adenomas
hipofisários benignos, quando o medicamento foi administrado por via subcutânea
por 24 meses, em altas doses diárias (0,6 a 4 mg/kg). Houve um significante
aumento de adenomas de ilhotas pancreáticas nas fêmeas e de adenomas de
células intersticiais testiculares nos machos, mas sem relação com a dose
(incidência maior em grupos com baixas doses). Em camundongos não foi
observada qualquer anormalidade hipofisária em doses tão altas quanto 60 mg/kg,
por 2 anos. Pacientes foram tratados com leuprolida durante até 3 anos com doses
tão altas quanto 10 mg/dia e por 2 anos com doses tão altas quanto 20 mg/dia.
Sinais clínicos de anormalidade hipofisária não foram observados em quaisquer
desses pacientes.
Estudos de mutagenicidade foram realizados com acetato de leuprolida em
sistemas bacterianos e de mamíferos. Tais estudos não mostraram evidências de
um potencial mutagênico para esse fármaco.
Estudos clínicos e farmacológicos em adultos, com análogo similar ou com o
acetato de leuprolida, mostraram completa reversão da supressão da fertilidade
quando o medicamento foi interrompido após administração contínua por períodos
de até 24 semanas.
Puberdade precoce: durante a fase inicial da terapêutica, um aumento nos sinais e
sintomas clínicos pode ser observado.
A não adesão ao tratamento ou doses inadequadas podem resultar em controle
inadequado do processo puberal. As conseqüências deste controle inadequado
incluem o retorno dos sinais de puberdade, tais como, menstruação,
desenvolvimento das mamas e crescimento testicular. As conseqüências a longo
prazo do controle inadequado da secreção esteróide gonadal são desconhecidas,
mas podem incluir um comprometimento na estatura adulta.
Resposta orgânica ao acetato de leuprolida deve ser monitorada 1 a 2 meses após
início da terapia, com um teste de estimulação do GnRH e dosagem dos níveis dos
esteróides sexuais. Determinação do avanço da idade óssea deve ser realizada a
cada 6-12 meses. Os hormônios sexuais podem aumentar ou ultrapassar os níveis
pré-puberais, se a dose for inadequada. Uma vez definida a dose terapêutica, os
níveis de gonadotrofina e esteróides sexuais cairão a níveis pré-puberais.
Ao iniciar o tratamento, os pais da criança devem estar cientes da importância da
terapia contínua.
Durante os dois primeiros meses, as meninas podem menstruar ou ter
sangramentos. Se o sangramento persistir além dos dois meses, o médico deverá
ser informado.
Qualquer irritação no local de injeção deve ser reportada ao médico.

Uso na gravidez de Leuprolida 3,75 e 7,5 mg

a segurança do uso de acetato de leuprolida em mulheres
grávidas não foi estabelecida. Existe a possibilidade da ocorrência de aborto
espontâneo se a medicação for administrada durante a gravidez (ver Contraindicações).
Se uma paciente engravidar durante o tratamento, a medicação
deverá ser descontinuada.
LUPRON DEPOT? (acetato de leuprolida) não é um contraceptivo. Se a
contracepção for necessária, deve ser utilizado um método contraceptivo não
hormonal.
O uso de LUPRON DEPOT? (acetato de leuprolida) é contra-indicado durante a
gravidez.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que
possam engravidar durante o tratamento.
Lactação: desconhece-se se o acetato de leuprolida é excretado no leite humano.
Como vários medicamentos são excretados no leite humano, LUPRON DEPOT?
(acetato de leuprolida) deve ser indicado com cautela a mulheres que estejam
amamentando.

Interações medicamentosas de Leuprolida 3,75 e 7,5 mg

Não foram realizados estudos específicos sobre interação do acetato de leuprolida
com outras substâncias. Entretanto, considerando que a leuprolida é um peptídeo
principalmente metabolizado pela peptidase e não pelas enzimas do citocromo
P450, conforme observado em estudos específicos, e que a substância é apenas
cerca de 46% ligada às proteínas plasmáticas, não são esperadas interações
medicamentosas.
Alterações em exames laboratoriais durante o tratamento:
A administração de acetato de leuprolida em suspensão de depósito em mulheres
resulta na supressão do sistema hipofisário-gonadal. A função normal geralmente é
recuperada em até 3 meses após a descontinuação do tratamento. Portanto, os exames de diagnóstico da função hipofisária gonadotrófica e gonadal realizados
durante o tratamento até 3 meses após a descontinuação do produto podem não ser
conclusivos.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Leuprolida 3,75 e 7,5 mg

Neoplasia de próstata
Na maioria dos pacientes, os níveis de testosterona aumentaram acima dos valores
basais durante a primeira semana, diminuindo depois disso a níveis basais ou
inferiores, no final da segunda semana de tratamento. Esse aumento transitório nos
níveis hormonais foi ocasionalmente associado com uma piora temporária dos
sinais e sintomas.
Atenção especial deve ser dedicada aos pacientes com metástases vertebrais e/ou
obstrução urinária ou hematúria, pois um potencial agravamento dos sinais e
sintomas no início do tratamento, pode acarretar problemas neurológicos, tais como
fraqueza e/ou parestesia dos membros inferiores ou piora dos sintomas urinários.
Em estudos clínicos, as seguintes reações adversas ocorreram em 5% ou mais dos
pacientes que receberam LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) e foram
reunidas as reações consideradas como possível ou provavelmente relacionadas
com o uso da medicação:
acetato de leuprolida suspensão de depósito
N=56 (%)
Sistema cardiovascular
Edema 7 12,5
Sistema gastrintestinal
Náusea/vômito 3 5,4
Sistema endócrino
Diminuição do
tamanho testicular*
3 5,4
Fogachos/sudorese* 33 58,9
Impotência* 3 5,4
Sistema nervoso
Dor generalizada 4 7,1
Sistema respiratório
Dispinéia 3 5,4
Gerais
Astenia 3 5,4
* Efeitos fisiológicos da diminuição da testosterona
Nesses mesmos estudos, as seguintes reações adversas foram relatadas em
menos do que 5% dos pacientes sob uso de LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida):
Sistema cardiovascular: angina, arritmia cardíaca;
Sistema gastrintestinal: anorexia, diarréia;
Sistema endócrino: ginecomastia, diminuição da libido;
Sistema músculo-esquelético: dor óssea, mialgia;
Sistema nervoso central/periférico: parestesia, insônia;
Sistema respiratório: hemoptise;
Sistema tegumentar: dermatite, reações locais da pele, crescimento de pêlos;
Sistema urogenital: disúria, polaciúria, urgência urinária, hematúria, dor testicular;
Gerais: diabetes, febre, calafrios, nódulos duros na orofaringe, cálcio aumentado,
ganho de peso, ácido úrico aumentado.
Foram relatadas reações no local da injeção, incluindo dor, inflamação, abscesso
estéril, endurecimento e hematoma.
Endometriose/Fibroma uterino
Os níveis de estradiol podem aumentar durante as primeiras semanas após a 1ª
injeção de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida), mas depois caem a valores
basais. Este aumento transitório do estradiol pode estar associado com uma piora
temporária dos sinais e sintomas.
Endometriose
Em dois estudos clínicos para o tratamento da endometriose, um comparando o uso
de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) com danazol e outro com placebo, as
seguintes reações adversas foram reportadas por 5% ou mais das pacientes
recebendo a medicação (foram reunidas as reações consideradas pelo pesquisador
como possível ou provavelmente relacionadas com a medicação):
acetato de
leuprolida
suspensão
de depósito
danazol placebo
N=166 (%) N=136 (%) N=31 (%)
Sistema cardiovascular
Edema 12 (7) 17 (13) 1 (3)
Sistema gastrintestinal
Náusea/vômito 21 (13) 17 (13) 1 (3)
Alterações no trato
gastrintestinal*
11 (7) 8 (6) 1 (3)
Sistema endócrino
Fogachos/sudorese* 139 (84) 77 (57) 9 (29)
Alteração, dor e
hipersensibilidade mamária*
10 (6) 12 (9) 0 (0)
Diminuição da libido* 19 (11) 6 (4) 0 (0)
Efeitos andrógeno-dependentes 22 (13) 44 (32) 1 (3)
Virilismo 0 (0) 1 (1) 0 (0)
Acne 17 (10) 27 (20) 0 (0)
Seborréia 2 (1) 5 (4) 0 (0)
Hirsutismo 2 (1) 9 (7) 1 (3)
Alteração da voz 1 (1) 2 (1) 0 (0)
Sistema músculo-esquelético
Mialgia 1 (1) 7 (5) 0 (0)
Alteração articular* 14 (8) 11 (8) 0 (0)
Sistema nervoso
Depressão/labilidade
emocional*
36 (22) 27 (20) 1 (3)
Cefaléia* 53 (32) 30 (22) 2 (6)
Tontura 19 (11) 4 (3) 0 (0)
Insônia/alterações do sono* 2 (1) 4 (3) 0 (0)
Dor generalizada 31 (19) 22 (16) 1 (3)
Alterações neuromusculares* 11 (7) 17 (13) 0 (0)
Nervosismo* 8 (5) 11 (8) 0 (0)
Parestesia 12 (7) 11 (8) 0 (0)
Sistema tegumentar
Reações na pele 17 (10) 20 (15) 1 (3)
Sistema urogenital
Vaginite* 46 (28) 23 (17) 0 (0)
Gerais
Astenia 5 (3) 9 (7) 0 (0)
Ganho/perda de peso 22 (13) 36 (26) 0 (0)
* Efeito fisiológico da diminuição de estrógeno
Laboratório
Como informado, ao induzir terapeuticamente um estado de menopausa transitória,
foram observadas alterações na razão HDL/LDL. As implicações clínicas destas
alterações nestas pacientes por um período restrito não estão claras.
Nesses mesmos estudos, as seguintes reações adversas foram relatadas por
menos de 5% das pacientes sob o uso de LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida):
Sistema cardiovascular: palpitações, síncope, taquicardia;
Sistema gastrintestinal: boca seca, sede, alterações do apetite;
Sistema nervoso central/periférico: ansiedade, desordens da personalidade,
desordens da memória, delírios;
Sistema tegumentar: equimose, alopécia, distúrbios de pêlos;
Sistema urogenital: disúria, lactação;
Gerais: distúrbios oftalmológicos, linfadenopatia.
Fibroma uterino
Em três estudos clínicos relacionados ao tratamento do fibroma uterino, as
seguintes reações adversas foram relatadas por 5% ou mais pacientes recebendo
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida). Foram reunidas as reações consideradas
pelo pesquisador como possível ou provavelmente relacionadas com a medicação:
acetato de
leuprolida
suspensão de
depósito //
placebo
N=63 (%) N=65 (%)
Sistema cardiovascular
Edema 7 (11,1) 1 (1,5)
Sistema gastrintestinal
Náusea/vômito 5 (7,9) 2 (3,0)
Sistema endócrino
Fogachos/sudorese* 52 (82,5) 5 (7,7)
Sistema músculo-esquelético
Alteração articular 9 (14,3) 0 (0)
Sistema nervoso
Cefaléia* 16 (25,4) 6 (9,2)
Depressão/labilidade emocional* 8 (12,7) 2 (3,1)
Insônia 6 (9,5) 0 (0)
Tontura 0 (0) 3 (4,6)
Dor generalizada 5 (7,9) 0 (0)
Sistema tegumentar
Reações locais da pele 5 (7,9) 0 (0)
Sistema urogenital
Vaginite* 9 (14,3) 0 (0)
Gerais
Astenia 8 (12,7) 2 (3,0)
* Efeito fisiológico da diminuição de estrógeno.
Nesses mesmos estudos, as seguintes reações adversas foram relatadas por
menos de 5% das pacientes sob o uso de LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida):
Sistema gastrintestinal: constipação, diarréia, boca seca, aumento do apetite,
flatulência;
Sistema endócrino: diminuição da libido, dor no peito;
Sistema músculo-esquelético: mialgia, hipertonia;
Sistema nervoso central/periférico: nervosismo, parestesia;
Gerais: ganho/perda de peso, alteração do paladar, odor vaginal, sintomas gripais.
Câncer de mama
Em um estudo comparativo, pacientes com câncer de mama na pré-menopausa
foram tratadas com LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 11,25 mg e LUPRON
DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg e com tamoxifeno. A tabela a seguir mostra
as reações adversas mais comuns que foram consideradas como possivelmente
relacionadas ao acetato de leuprolida para, pelo menos, 10% das pacientes:
Reação Adversa LUPRON DEPOT
(acetato de leuprolida)
3,75mg
N=71
LUPRON DEPOT
(acetato de leuprolida)
11,25mg
N=71
Qualquer reação adversa 70 (98,6%) 69 (97,2%)
Fogacho 51 (71,8%) 50 (70,4%)
Cefaléia leve 30 (42,3%) 18 (25,4%)
Sintomas de resfriado
comum
19 (26,8%) 20 (28,2%)
Náusea 15 (21,1%) 12 (16,9%)
Dermatite 12 (16,9%) 14 (19,7%)
Cefaléia 12 (16,9%) 12 (16,9%)
Diaforese 12 (16,9%) 9 (12,7%)
Vertigens 9 (12,7%) 6 (8,5%)
Endurecimento do local de
aplicação
8 (11,3%) 22 (31,0%)
Dor no local da aplicação 8 (11,3%) 9 (12,7%)
Febre 4 (5,6%) 8 (11,3%)
Em um estudo comparativo entre LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 11,25
mg e quimioterapia?CMF no tratamento de pacientes com câncer de mama na pré e
na peri-menopausa, as seguintes reações adversas foram relatadas por, pelo
menos, 10% das pacientes:
Reação Adversa LUPRON DEPOT
(acetato de leuprolida)
11,25 MG
N=294
CMF
n=295
Qualquer reação adversa 287 (97,6%) 294 (99,7%)
Aumento de peso 236 (80,3%) 170 (57,6%)
Aumento da transpiração 235 (79,9%) 157 (53,2%)
Acessos de calor 249 (84,7%) 130 (44,1%)
Decréscimo da
capacidade física
115 (39,1%) 221 (74,9%)
Náusea 33 (11,2%) 272 (92,2%)
Perda de peso 115 (39,1%) 148 (50,2%)
Fraqueza generalizada 52 (17,7%) 189 (64,1%)
Diminuição do apetite 26 (8,8%) 211 (71,5%)
Vômito 12 (4,1%) 205 (69,5%)
Cefaléia 85 (28,9%) 94 (31,9%)
Nervosismo 83 (28,2%) 71 (24,1%)
Aumento do apetite 98 (33,3%) 43 (14,6%)
Oscilação do humor 75 (25,5%) 65 (22,0%)
Alopecia 5 (1,7%) 124 (42,0%)
Dor nas costas 63 (21,4%) 52 (17,6%)
Insônia 64 (21,8%) 51 (17,3%)
Vertigens 52 (17,7%) 54 (18,3%)
Perda de cabelo 22 (7,5%) 65 (22,0%)
Diarréia 13 (4,4%) 70 (23,7%)
Artralgia 54 (18,4%) 25 (8,5%)
Depressão 42 (14,3%) 36 (12,2%)
Dor cervical 44 (15,0%) 26 (8,8%)
Perda de apetite 3 (1,0%) 65 (22,0%)
Leucopenia 3 (1,0%) 54 (18,3%)
Dor nas articulações 37 (12,6%) 19 (6,4%)
Eritema 21 (7,1%) 33 (11,2%)
Constipação 15 (5,1%) 34 (11,5%)
Vaginite 34 (11,6%) 15 (5,1%)
Puberdade precoce
Em estudos clínicos, as seguintes reações adversas ocorreram em 2% ou mais dos
pacientes que receberam LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) e foram
reunidas as reações consideradas pelos pesquisadores como possível ou
provavelmente relacionadas com a medicação:
acetato de leuprolida suspensão de
depósito
N=395 (%)
Gerais
Dor generalizada 7 (2)
Sistema tegumentar
Acne/seborréia 7 (2)
Reações no local da injeção
Incluindo abscesso 21 (5)
Erupção cutânea
Incluindo eritema multiforme 8 (2)
Sistema urogenital
Vaginite/Sangramento/Corrimento 7 (2)
Nesses mesmos estudos, as seguintes reações adversas ocorreram em menos de
2% dos pacientes que receberam LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida):
Gerais: odor no corpo, febre, dor de cabeça; infecção;
Sistema cardiovascular: síncope, vasodilatação;
Sistema gastrintestinal: disfagia, gengivite, náusea e vômito;
Sistema endócrino: aceleração da maturidade sexual;
Desordens metabólicas e nutricionais: edema periférico, ganho de peso;
Sistema nervoso: nervosismo, desordens da personalidade, sonolência, labilidade
emocional;
Sistema respiratório: epistaxe;
Sistema tegumentar: alopécia; estrias na pele;
Sistema urogenital: alterações do cervix, ginecomastia/alterações da mama;
incontinência urinária.
Farmacovigilância pós-comercialização
Os eventos adversos a seguir foram observados com esta ou outras formulações de
acetato de leuprolida injetável. Para sua maioria, a relação causa-efeito não foi
estabelecida. Alguns desses eventos adversos podem não ser aplicáveis a todos o
pacientes.
Geral: aumento do abdome, astenia, calafrios, febre, dor generalizada, cefaléia,
infecção, inflamação, reações de fotossensibilidade, tumefação (osso temporal),
icterícia.
Sistema cardiovascular: angina, bradicardia, arritmia cardíaca, insuficiência
cardíaca congestiva, alterações no ECG/isquemia, hipertensão, hipotensão, sopros,
infarto do miocárdio, flebites, embolia pulmonar, acidente vascular cerebral,
síncope/desmaios, taquicardia, trombose, crise isquêmica transitória, veias
varicosas.
Sistema gastrintestinal: constipação, diarréia, boca seca, úlcera duodenal,
disfagia, hemorragia gastrintestinal, distúrbios gastrintestinais, disfunção hepática,
aumento do apetite, anormalidade das provas de função hepática, náusea, úlcera
péptica, pólipos retais, sede e vômitos.
Sistema endócrino: diabetes, aumento da tireóide.
Hemolinfáticas: anemia, equimoses, linfoedema, aumento de TP, aumento de TTP,
redução de plaquetas, leucopenia, leucocitose.
Metabólicas e nutricionais: aumento de uréia, hipercalcemia, aumento de
creatinina, desidratação, edema, hiperlipemia (colesterol total, LDL-colesterol e de
triglicérides) hiperfosfatemia, hipoglicemia, hipoproteinemia, hipopotassemia,
hiperuricemia, aumento da bilirrubina.
Sistema músculo-esquelético: espondilite anquilosante, distúrbios articulares, dor
articular, mialgia, fibrose pélvica, fratura de coluna, paralisia, sintomas de
tenossinovite.
Sistema nervoso: ansiedade, alucinações, depressão, tontura, hipestesia, insônia,
letargia, aumento da libido, delírios, transtornos de memória, mudanças de humor,
nervosismo, transtornos neuromusculares, atordoamento, parestesia, neuropatia
periférica, transtornos do sono.
Sistema respiratório: tosse, dispnéia, epistaxe, hemoptise, faringite, derrame
pleural, atrito pleural, pneumonia, fibrose pulmonar, infiltrado pulmonar, distúrbios
respiratórios, congestão sinusal.
Sistema tegumentar: carcinoma de pele/orelha, dermatite, pele seca, crescimento
de pêlos, perda de cabelo, nódulo duro na garganta, pigmentação, prurido, erupção
cutânea, lesões de pele, urticária.
Sentidos: visão anormal, ambliopia, borramento de visão, olhos secos, distúrbios
de audição, distúrbios oftalmológicos, alterações do paladar, zumbidos.
Sistema urogenital: espasmos da bexiga, dor e hipersensibilidade mamária,
ginecomastia, hematúria, incontinência, distúrbios menstruais incluindo perda
sangüínea intermenstrual e sangramento vaginal mantido, edema peniano,
distúrbios penianos, dor prostática, atrofia testicular, dor testicular, diminuição do
tamanho testicular, distúrbios urinários, poliúria, obstrução urinária, infecção
urinária, urgência urinária.
Outras: foram relatados raros casos de anafilaxia. Foram relatadas reações no local
da injeção incluindo dor, inflamação, abcessos estéreis, endurecimento e
hematomas. Houve raros relatos de idéias suicidas e tentativas de suicídio. Assim como com outros agentes desta classe, casos raros de apoplexia hipofisária foram
reportados após administração inicial em pacientes com adenoma hipofisário.

Leuprolida 3,75 e 7,5 mg – Posologia

LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg é apresentado em microesferas liofilizadas, devendo ser previamente reconstituído por meio de adição de diluente, para administração mensal através de dose única intramuscular.
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg deve ser administrado sob supervisão do médico. A posologia mensal recomendada de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) é:
Neoplasia prostática: 3,75 mg a 7,5 mg, pelo tempo determinado pelo médico.
Fibroma uterino e endometriose: 3,75 mg pelo período máximo de 6 meses.
Puberdade precoce: a dose de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) deve ser individualizada para cada criança. A dose está baseada na proporção de mg de leuprolida por kg de peso corporal (mg/kg). Crianças mais jovens requerem maiores doses, de acordo com a proporção mg/kg. Após 1 a 2 meses do início do tratamento ou quando há alterações de doses, a criança deve ser monitorada com testes de estimulação do GnRH, dosagem dos níveis de esteróides sexuais e determinação do estadiamento de Tanner para confirmar a downregulation. O avanço da idade óssea deve ser monitorado a cada 6 a 12 meses. A dose deve ser titulada até não ser observada, por parâmetros clínicos e/ou laboratoriais, qualquer progressão da doença. A primeira dose que resulte em adequada ?downregulation? pode provavelmente ser mantida por todo o tratamento na maioria das crianças. Entretanto, os dados existentes são insuficientes para guiar os ajustes de dose, à medida que os pacientes passam para categorias superiores de peso, tendo eles iniciado o tratamento muito jovens e com doses baixas. Recomenda-se que se verifique se a ?downregulation? permanece adequada nesses pacientes cujo peso aumentar significativamente durante o tratamento. A descontinuação do LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) deve ser considerada antes dos 11 anos para as meninas e dos 12 anos para os meninos. A dose inicial recomendada é de 0,3 mg/kg a cada 4 semanas (mínimo de 7,5 mg) administrada em dose única por via intramuscular. A dose inicial pode ser determinada pelo peso corporal da criança: se a downregulation total não foi alcançada, a dose deve ser titulada para cima, em incrementos de 3,75 mg a cada 4 semanas, até a sua obtenção. Esta será considerada a dose de manutenção.
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) é uma medicação hormonal e leva um período de 2 a 4 semanas para alcançar o efeito terapêutico esperado. No início pode haver uma piora momentânea dos sintomas, melhorando com a continuação do tratamento. A interrupção do uso de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) não causa efeitos desagradáveis; apenas cessará o efeito terapêutico.
Devido às diferentes características de liberação, o fracionamento da apresentação de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg não é equivalente para as mesmas doses das apresentações LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 11,25 mg e LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 22,5 mg e, portanto, não deve ser realizado.
Peso Corporal Dose Inicial
Peso menor que 25,0 kg 7,50 mg por Mês
Peso entre 25,0 e 37,5 kg 11,25 mg por Mês
Peso maior que 37,5 kg 15,00 mg por Mês

Superdosagem

Em ratos, a administração subcutânea de doses 250 a 500 vezes superiores à
posologia recomendada para crianças e adultos de acordo com o peso corporal,
resultou em dispnéia, atividade diminuída e irritação no local da injeção. Não há,
contudo, um quadro clínico característico desta situação. Nos estudos clínicos
iniciais, em que houve o emprego, em pacientes com neoplasia da próstata, de
posologias subcutâneas diárias de acetato de leuprolida tão altas quanto 20 mg/dia
durante até 2 anos, não ocorreram reações adversas diferentes daquelas
observadas quando foi utilizada uma posologia de 1 mg/dia. Em casos de
superdosagem, os pacientes deverão ser monitorados cuidadosamente, devendo
ser adotadas medidas de suporte e tratamento sintomático.

Características farmacológicas

O acetato de leuprolida, substância ativa do medicamento LUPRON DEPOT
(acetato de leuprolida), é um nonapeptídeo sintético análogo do hormônio liberador
da gonadotrofina natural (GnRH ou LH-RH). Possui maior potência que o hormônio
natural, atua como um inibidor da produção de gonadotrofina e é quimicamente
distinto dos esteróides. O acetato de leuprolida em LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida) é apresentado como microesferas liofilizadas estéreis que, quando
misturadas com o diluente, tornam-se uma suspensão para uso intramuscular,
mensalmente.
Neoplasia da próstata: O crescimento e a função da próstata são dependentes do
hormônio masculino testosterona. A obtenção de um estado de privação
androgênica é o objetivo primordial do tratamento da neoplasia avançada da
próstata. Em homens, a administração contínua do acetato de leuprolida resulta na
diminuição da testosterona para níveis pré-puberais ou similares àqueles obtidos
com a castração cirúrgica. Esses níveis de testosterona alcançados pela utilização
do acetato de leuprolida têm sido demonstrados, nos pacientes portadores da
neoplasia da próstata, por período de até 5 anos.
Uso ginecológico: Uma vez que o estrógeno estimula o crescimento dos tecidos
uterino e endometrial, a terapêutica médica para o fibroma uterino e endometriose
com o acetato de leuprolida é baseada na supressão da produção de estrógenos.
Fibroma uterino: O leiomioma uterino (fibroma uterino) é uma desordem
ginecológica caracterizada pela presença de tumores benignos de origem
miometrial, cujo crescimento é promovido pelo estrógeno. O estado hipoestrogênico
resultante da administração do LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg
reduz os fibromas, diminui o tamanho e o volume do útero, eliminando ou aliviando
os sintomas: dor pélvica, menorragia, pressão e desconforto. Melhora nos níveis da
hemoglobina e do hematócrito foi observada após a redução e a eliminação da
menorragia.
Endometriose: A etiologia da endometriose não é clara, embora existam diversas
teorias. A causa mais provável é a menstruação retrógrada, mas outras possíveis origens incluem a transplantação cirúrgica e extensão direta do endométrio. A
terapêutica médica na endometriose é baseada na supressão da produção de
estrógeno. O estado hipoestrogênico resultante da administração de LUPRON
DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg produz alterações atróficas nos tecidos
uterino e endometrial, que permitem a resolução do processo, que inclui a redução
dos implantes endometriais, o impedimento de novas lesões e uma possível
redução de aderências: isto resultará na diminuição da dor e de outros sintomas.
Nos estudos clínicos, a resolução parcial ou completa de todos os estágios da
endometriose ocorreu na maioria das mulheres. A supressão das gonadotrofinas
hipofisárias freqüentemente resulta na eliminação do ciclo menstrual. Após a
interrupção de um ciclo de tratamento com LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida) 3,75 mg por seis meses, a média de tempo para retomada da
menstruação foi de 52 dias (amplitude de 7 a 183 dias). Como a esteroidogênese
estrogênica e androgênica são suprimidas, os efeitos androgênicos vistos com
outras terapêuticas são evitados.
Puberdade precoce: Em crianças com puberdade precoce central, os níveis de
gonadotrofina basal e estimulada são reduzidos a níveis pré-puberais. Testosterona
e estradiol também são reduzidos a níveis pré-puberais em ambos os sexos. A
redução das gonadotrofinas permitirá um desenvolvimento e crescimento físico e
psicológico normais. A maturação natural ocorre quando as gonadotrofinas retornam
a níveis puberais, após descontinuação do acetato de leuprolida. Os seguintes
efeitos fisiológicos têm sido observados com a administração crônica do acetato de
leuprolida nesta população de pacientes:
1. Crescimento do esqueleto – aumento mensurável do comprimento do corpo pode
ser observado desde que as epífises ósseas não soldem prematuramente.
2. Crescimento dos órgãos – os órgãos reprodutivos voltarão ao estado pré-puberal.
3. Menstruação – menstruação, se presente, cessará.

Resultados de eficácia

Os resultados de eficácia estão disponíveis em referências bibliográficas.
Referências Bibliográficas:
Caso haja interesse em conhecer as referências bibliográficas e/ou estudos clínicos
disponíveis para este medicamento, por favor, entre em contato com nosso Serviço
de Atendimento ao Consumidor ? Abbott Center através do telefone 0800 7031050.

Modo de usar

Embora a potência da suspensão reconstituída de LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg tenha mostrado ser estável por 24 horas, deve ser
descartada se não for usada imediatamente ou se houver sobras no frasco, visto
que o produto não contém conservantes.
Seguindo a mesma orientação para outras drogas injetáveis, os locais de aplicação
devem ser variados periodicamente.
Preparação para administração:
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg são apresentados em
microesferas liofilizadas, devendo ser previamente reconstituídos por meio de
adição de diluente para administração mensal através de dose única intramuscular.
As recomendações para a reconstituição de LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg são as seguintes:
1. Usando a seringa com uma das
agulhas calibre 22, retirar 1 mL
de diluente da ampola (qualquer
quantidade que sobrar do
diluente deve ser descartada).
2. Após retirar a tampa externa de
proteção do frasco, injetar o
diluente dentro do mesmo,
usando técnica asséptica.
3. Agitar bem o frasco até que o pó
e o diluente formem um líquido
uniforme, que pode ter uma
aparência leitosa.
4. Imediatamente após a
reconstituição da suspensão,
retirar o conteúdo total do frasco
através das mesmas seringa e
agulha. Limpar o local da pele
onde vai ser feita a injeção, com
algodão umedecido com álcool.
Trocar a agulha (usar a segunda
agulha incluída na embalagem),
introduzir a agulha através da
pele e injetar o medicamento
por via intramuscular. Após
injetar o medicamento, retirar a
agulha e usar novamente outro
algodão com álcool e passar
suavemente sobre o local onde
foi feita a injeção.
Usar cada seringa somente uma vez. Cuidado ao descartá-la. As agulhas jogadas
sem proteção no lixo podem ferir acidentalmente as pessoas. Nunca deixar
seringas, agulhas ou medicamentos ao alcance das crianças.
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg devem ser
administrados sob supervisão do médico. A posologia mensal recomendada de
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) é:
Neoplasia prostática: 3,75 mg ou 7,5 mg, pelo tempo determinado pelo médico.
Câncer de mama: LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75 mg está indicado
no tratamento do câncer de mama em estágio avançado pelo tempo determinado
pelo médico.
Fibroma uterino e endometriose: 3,75 mg pelo período máximo de 6 meses.
Puberdade precoce: A dose de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) deve ser
individualizada para cada criança. A dose está baseada na proporção de mg de
leuprolida por kg de peso corporal (mg/kg). Crianças mais jovens requerem maiores
doses, de acordo com a proporção mg/kg.
Após 1 a 2 meses do início do tratamento ou quando houver alterações de doses, a
criança deve ser monitorada com testes de estimulação do GnRH, dosagem dos
níveis de esteróides sexuais e determinação do estadiamento de Tanner para
confirmar a downregulation. O avanço da idade óssea deve ser monitorado a cada
6 a 12 meses. A dose deve ser titulada até não ser observada, por parâmetros
clínicos e/ou laboratoriais, qualquer progressão da doença.
A primeira dose que resulte em adequada downregulation pode, provavelmente,
ser mantida por todo o tratamento na maioria das crianças. Entretanto, os dados
existentes são insuficientes para guiar os ajustes de dose, à medida que os
pacientes passam para categorias superiores de peso, tendo eles iniciado o
tratamento muito jovens e com doses baixas. Recomenda-se que se verifique se a
downregulation permanece adequada nesses pacientes cujo peso aumentar
significativamente durante o tratamento.
A descontinuação do LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) deve ser
considerada antes dos 11 anos para as meninas e dos 12 anos para os meninos.
A dose inicial recomendada é de 0,3 mg/kg a cada 4 semanas (mínimo de 7,5 mg)
administrada em dose única por via intramuscular. A dose inicial pode ser
determinada pelo peso corporal da criança:
Peso corporal Dose Número de
injeções
Dose inicial
total
menor ou igual a 25,0 Kg 3,75 mg x 2 1 7,50 mg
maior que 25 Kg e menor
ou igual a 37,5 Kg
3,75 mg x 3 2 11,25 mg
maior que 37,5 Kg 3,75 mg x 4 2 15,00 mg
Quando duas injeções são necessárias para atingir a dose total, estas devem
administradas no mesmo momento.
Dose de manutenção: se a downregulation total não foi alcançada, a dose deve
ser titulada para cima, em incrementos de 3,75 mg a cada 4 semanas, até a sua
obtenção. Esta será considerada a dose de manutenção.
LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) é uma medicação hormonal e leva um
período de 2 a 4 semanas para alcançar o efeito terapêutico esperado. No início
pode haver uma piora momentânea dos sintomas, melhorando com a continuação
do tratamento. A interrupção do uso de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida)
não causa efeitos desagradáveis, apenas cessará o efeito terapêutico.
Devido às diferentes características de liberação, o fracionamento das
apresentações de LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 3,75mg e 7,5mg não é
equivalente para as mesmas doses das apresentações LUPRON DEPOT (acetato
de leuprolida) 11,25 mg e LUPRON DEPOT (acetato de leuprolida) 22,5 mg e,
portanto, não deve ser realizado.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Uso em idosos: não há recomendações especiais para esta faixa etária em relação
à neoplasia prostática. Muitos dos dados provêm de estudos nessa faixa etária. Nas
patologias ginecológicas, não se justifica o uso de LUPRON DEPOT (acetato de
leuprolida) em pacientes idosas, por já estarem na pós-menopausa.

Armazenagem

LUPRON DEPOT? (acetato de leuprolida) 3,75 mg e 7,5 mg e a respectiva ampola
do diluente devem ser armazenados em temperatura ambiente (15-30ºC) e
protegidos da luz. Não congelar. Manter o produto na embalagem até seu uso.
Se armazenado nas condições indicadas, este medicamento se manterá próprio
para consumo pelo prazo de validade de 36 meses, a partir da data de fabricação
impressa na embalagem externa.

Dizeres legais

Farm. Resp.: Fábio Bussinger da Silva
CRF-RJ nº 9277
Fabricado por: Takeda Pharmaceutical Company Limited
Osaka – Japão
Embalado por: Abbott Laboratories S.A.
Madrid, Espanha
Importado por: Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.
Estrada dos Bandeirantes, 2400 ? Rio de Janeiro, RJ
CNPJ: 56.998.701/0012-79
INDÚSTRIA BRASILEIRA
Sob licença exclusiva de Takeda Pharmaceutical Company Limited

Data da bula

Sep 10 2008 12:00AM

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral. As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. .Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.