Uso de substâncias pode aumentar o risco de doença cardiovascular

O uso de substâncias recreativas foi associado à doença cardiovascular aterosclerótica de início precoce (atherosclerotic cardiovascular disease [ASCVD]) – com risco especialmente alto em mulheres, de acordo com dados de um estudo.

Preditores independentes de ASCVD prematuro – um primeiro evento antes dos 55 anos para homens e 65 para mulheres – sinalizado por Salim Virani, MD, PhD, do Baylor College of Medicine em Houston, e colegas:

  • Uso de tabaco
  • Uso de álcool
  • Uso de cocaína
  • Uso de anfetaminas
  • Consumo de cannabis
  • Uso de outras drogas

Houveram associações semelhantes entre o uso recreativo dessas substâncias e o desenvolvimento de ASCVD extremamente prematuro (primeiro evento antes dos 40 anos), relatou o grupo na revista Heart.

“A associação dessas substâncias recreativas com ASCVD de início precoce, independente dos fatores de risco ateroscleróticos tradicionais ou do uso concomitante de outras drogas, enfatiza a importância de facilitar a cessação entre usuários adultos jovens”, disse o grupo de Virani.

Notavelmente, a probabilidade de ASCVD de início precoce aumentou com cada substância adicional usada, de modo que as pessoas que usam quatro ou mais substâncias tiveram o risco mais alto.

Além disso, o risco diferia por sexo: as mulheres tiveram associações mais fortes entre o uso de substâncias e ASCVD prematuro, enquanto os homens mostraram tamanhos de efeito menores.

“Transtornos por uso de substâncias têm sido associados a uma aceleração do processo de envelhecimento”, escreveu Anthony Wayne Orr, PhD, e colegas da LSU Health Shreveport, em um editorial de acompanhamento. “Somos jovens apenas uma vez, e devemos fazer tudo ao nosso alcance para manter esse estado enquanto pudermos.”

Os editorialistas sugeriram uma campanha nacional de educação para a doença cardiovascular aterosclerótica visando pessoas com transtornos por uso de substâncias.

“Além disso, os médicos e os prestadores de cuidados primários devem começar a rastrear seus pacientes adultos e jovens adultos com história de transtorno de uso de substâncias para sintomas de ASCVDs prematuros ou extremamente prematuros em estágios iniciais da vida de seus pacientes”, de acordo com o grupo de Orr.

As taxas de rastreamento de drogas e álcool podem melhorar se as diretrizes começarem a recomendar o rastreamento para todas as pessoas com doença cerebrovascular isquêmica ou doença arterial periférica além da recomendação atual para rastrear pacientes com IAM agudo, sugeriram os autores do estudo.

“Nossas descobertas também apoiam a necessidade de intervenções agressivas na implementação e acessibilidade de programas de cessação de drogas como outro elemento-chave da prevenção primária de ASCVD”, de acordo com eles.

Características do estudo

Os investigadores realizaram sua análise transversal usando o banco de dados nacional do Veterans Affairs Healthcare e o registro VITAL (Veterans with premaTure AtheroscLerosis).

Incluídos no estudo estavam mais de um milhão de pessoas recebendo serviços de atenção primária em todo o VA Healthcare System em 2014 ou 2015, entre as quais 135.703 tiveram a doença cardiovascular aterosclerótica de início precoce prematura.

Pessoas com ASCVD prematura tendem a ser mais jovens, e este grupo inclui mais mulheres, afro-americanos, asiático-americanos e pessoas com IMC acima de 30 kg/m² em comparação com outros.

A natureza observacional do estudo foi uma das principais limitações, assim como a falta de dados sobre a origem socioeconômica dos participantes e a coorte predominantemente masculina de brancos. Além disso, a equipe de Virani advertiu que não era possível diferenciar entre as pessoas que tomam anfetaminas por recreação e aquelas que as prescrevem como tratamento para DDA.

“Os estudos retrospectivos são limitados pelos dados disponíveis. Embora este estudo apoie a associação entre transtorno por uso de substância e ASCVD de início precoce, o efeito da frequência, dose e duração do uso de substância não pode ser determinado de forma confiável nesta amostra de paciente”, acrescentou o grupo de Orr .

“Estudos prospectivos serão necessários para definir os efeitos da dose e da duração, para identificar biomarcadores específicos para doenças cardiovasculares associadas ao uso de substâncias e para caracterizar a janela terapêutica para limitar esses efeitos crônicos do transtorno por uso de substâncias”, escreveram os editorialistas.

__________________________

O estudo original foi publicado no Heart

* “Recreational substance use among patients with premature atherosclerotic cardiovascular disease” – 2021

Autores do estudo: Dhruv Mahtta, David Ramsey, Chayakrit Krittanawong, Mahmoud Al Rifai, Nasir Khurram, Zainab Samad, Hani Jneid, Christie Ballantyne, Laura A Petersen, Salim S Virani – 10.1136/heartjnl-2020-318119