Estudo mostra que pacientes relataram diversos sintomas após COVID

As pessoas que tiveram COVID relataram uma gama maior de sintomas pós-infecção aos seus médicos de cuidados primários do que o esperado, mostrou um estudo de coorte retrospectivo no Reino Unido.

No geral, 62 sintomas foram significativamente associados a um histórico de infecção por SARS-CoV-2 após 12 semanas, relatou Krishnarajah Nirantharakumar, MBBS, MPH, da University of Birmingham, na Inglaterra, e colegas.

Os sintomas com os maiores HRs ajustados foram anosmia, perda de cabelo, espirros, dificuldade de ejaculação, redução da libido, falta de ar em repouso, fadiga, dor torácica pleurítica, voz rouca e febre, escreveram na Nature Medicine.

Vinte dos 62 sintomas relatados estavam entre os 33 sintomas listados na definição de caso clínico de COVID longo da Organização Mundial da Saúde (OMS). No geral, 5,4% das pessoas com COVID e 4,3% das pessoas sem COVID relataram pelo menos um sintoma incluído na definição de caso da OMS.

Definições abrangentes como as da OMS e do CDC são comumente usadas, mas alguns especialistas alertaram contra a pressa em definir o COVID longo. Embora problemas persistentes pós-infecção, como fadiga, falta de ar e disfunção cognitiva, tenham um efeito significativo na vida das pessoas, os sintomas prolongados de COVID são mais extensos do que isso, observou o grupo de Nirantharakumar.

“Esta pesquisa valida o que os pacientes têm dito aos médicos e formuladores de políticas durante a pandemia, que os sintomas do COVID longo são extremamente amplos e não podem ser totalmente explicados por outros fatores, como fatores de risco de estilo de vida ou condições crônicas de saúde”, coautor Shamil. Haroon, PhD, MPH, também da University of Birmingham, disse em um comunicado.

“Os sintomas que identificamos devem ajudar os médicos e desenvolvedores de diretrizes clínicas a melhorar a avaliação de pacientes com efeitos a longo prazo do COVID-19 e, posteriormente, considerar como essa carga de sintomas pode ser melhor gerenciada”, acrescentou.

Detalhes do estudo

Os pesquisadores avaliaram 486.149 adultos com COVID-19 confirmado de janeiro de 2020 a abril de 2021 que não foram hospitalizados com infecção e 1.944.580 adultos com escore de propensão sem evidência registrada de infecção por SARS-CoV-2 nos registros de cuidados primários do Reino Unido. Eles avaliaram diferenças relativas em 115 sintomas 12 semanas após as pessoas do grupo COVID terem sido infectadas.

A média de idade dos participantes foi de 43,8 e 55,3% eram do sexo feminino. A maioria (64,7%) era branca, enquanto 12,2% eram asiáticos e 4,0% eram negros afro-caribenhos. No total, 53,8% apresentavam sobrepeso ou obesidade e 22,5% eram fumantes atuais.

As mulheres tiveram um risco aumentado de sintomas longos de COVID do que os homens (HR ajustado 1,52). Em análises univariadas, idades acima de 30 anos foram associadas a um risco maior de sintomas longos de COVID, mas após o ajuste para covariáveis ​​de linha de base, pessoas com idades entre 30 e 39 anos tiveram um risco 6% menor e pessoas c om 70 anos ou mais tiveram um risco 25% menor do que aqueles idades 18-30 anos.

Outros fatores de risco incluíram fazer parte de um grupo étnico minoritário, privação socioeconômica, tabagismo, obesidade e uma ampla gama de comorbidades.

Os pesquisadores identificaram três grupos de fenótipos longos de COVID com base em seus dados: pessoas com um amplo espectro de sintomas, incluindo dor, fadiga e erupção cutânea (80,0%); pessoas com sintomas principalmente respiratórios, incluindo tosse, falta de ar e catarro (5,8%); e pessoas com sintomas predominantemente de saúde mental e cognitivos, incluindo ansiedade, depressão, insônia e confusão mental (14,2%).

Uma limitação importante do estudo foi o uso de informações de saúde codificadas rotineiramente. Os registros de cuidados primários podem não refletir a verdadeira carga de sintomas da COVID longa, que pode ser subestimada ou superestimada neste conjunto de dados, reconheceram os pesquisadores.

“Os dados de sintomas que usamos para o estudo, portanto, não podem ser usados ​​para fazer inferências sobre a prevalência absoluta desses sintomas”, alertaram Nirantharakumar e colegas.

__________________________

O estudo original foi publicado na Nature Medicine

“Symptoms and risk factors for long COVID in non-hospitalized adults” – 2022

Autores do estudo: Subramanian A, et al – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.