Flanax 250mg


Flanax 250mg – Bula do remédio

Flanax 250mg com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Flanax 250mg têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Flanax 250mg devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

A 4Medic não vende nenhum tipo de medicamento

Laboratório

Bayer

Apresentação de Flanax 250mg

Flanax 250mg:
Cartucho contendo 4, 8, 10, 15 ou 20 comprimidos revestidos.
Caixa contendo 60, 80 ou 100 comprimidos revestidos.
Display contendo 60, 80 ou 100 comprimidos revestidos

Flanax 250mg – Indicações

Inflamação das vias aéreas superiores: agente antiinflamatório, analgésico, antipirético que pode ser
usado como medicação complementar a terapêutica específica (ex: dor de garganta)
Afecções periarticulares e musculoesqueléticas: mialgia, artralgia, dor ciática, dor na perna, bursite,
tendinite, torcicolo, lombalgia, quadros dolorosos da coluna vertebral.
Traumatismos: entorses, distensões, contusões, lesões oriundas da prática esportiva inclusive cotovelo
do tenista.
Afecções vasculares: dor varicosa, flebites superficiais, inflamações varicosas, hematoma.

Contra-indicações de Flanax 250mg

Flanax é contra-indicado em pacientes que apresentam hipersensibilidade ao naproxeno ou
naproxeno sódico, úlcera péptica gástrica ou duodenal ativa e sangramento gastrintestinal ativo.
Este medicamento é contra-indicado na faixa etária inferior a 2 anos.
Devido à possibilidade de reação cruzada, Flanax não deve ser administrado a pacientes nos quais o
ácido acetilsalicílico ou outros antiinflamatórios não esteróides ou analgésicos induzam asma, rinite,
pólipos nasais ou urticária.

Advertências

Deve-se ter cautela com o uso de Flanax em pacientes com doenças gastrintestinais, insuficiências
cardíaca, hepática ou renal e em idosos.
Pacientes em dieta com restrição de sódio: levar em consideração que 1 comprimido de 275 mg de
Flanax contém 25 mg de sódio (aproximadamente 1 mEq).
É recomendado que os pacientes idosos utilizem a menor dose eficaz.
Flanax deve ser administrado sob supervisão médica a pacientes com doenças gastrintestinais.
O uso de Flanax pode causar dano à mucosa gastrintestinal, desde irritação até sangramento,
ulceração e perfuração, a qualquer momento, com ou sem sinais de alerta. A incidência e a severidade
destas complicações pode aumentar com o aumento da dose e da duração do tratamento.
Flanax deve ser administrado sob supervisão médica a pacientes com insuficiência renal ou litíase
urinária, bem como por pacientes que apresentem redução no fluxo sangüíneo renal (hipovolemia,
insuficiência cardíaca, disfunção hepática, depleção salina, usuários de diuréticos e idosos). Nesses
pacientes, recomenda-se monitorização da creatinina sérica e/ou da depuração de creatinina, pois a
utilização de Flanax ou outros antiinflamatórios não esteroidais pode causar redução dose
dependente da formação de prostaglandina renal, precipitando descompensação renal ou insuficiência
renal.
Flanax não é recomendado a pacientes com depuração de creatinina inferior a 20 ml/min.
Flanax diminui a agregação plaquetária e prolonga o tempo de sangramento e deve ser administrado
sob supervisão médica nos pacientes com distúrbios da coagulação ou em tratamento com
medicamentos que interfiram na coagulação sangüínea.
Não é recomendada a associação de Flanax com antiinflamatórios não esteroidais, pelo motivo de
riscos cumulativos induzindo sérios efeitos adversos.
Alguns pacientes podem apresentar sonolência, tontura, vertigem, insônia ou depressão. Estes devem
ter cautela ao realizar atividades que requerem atenção.

Uso na gravidez de Flanax 250mg

Flanax não é recomendado durante a gravidez, pois inibe a síntese de prostaglandinas, podendo
causar efeitos adversos na circulação do feto além de inibir a contração uterina, aumentando o risco de
hemorragia uterina. Como ocorre passagem de naproxeno ao leite materno, não é recomendado o uso
deste produto durante a amamentação.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do
cirurgião-dentista.

Interações medicamentosas de Flanax 250mg

A administração concomitante com alimentos, antiácidos ou colestiramina pode retardar a absorção de
naproxeno, no entanto, não afeta sua ação. O bicarbonato de sódio aumenta a velocidade de absorção
do naproxeno e o carbonato de magnésio, óxido de magnésio e hidróxido de alumínio diminui.
Devido ao alto grau de ligação de naproxeno às proteínas plasmáticas, os pacientes que recebem
simultaneamente drogas que também se ligam a albumina como anticoagulantes do tipo cumarínicos,
sulfonamidas ou sulfoniluréias, outros antiinflamatórios não esteroidais, ácido acetilsalicílico,
hidantoínas, devem ser avaliados para um possível ajuste de dose.
Em estudos clínicos, não se tem observado interações com naproxeno e anticoagulantes do tipo
cumarínico, não obstante, aconselha-se cautela, já que se tem observado interações com outros
agentes não esteroidais desta classe.
O naproxeno pode aumentar a fração livre da varfarina, interferir na função plaquetária, inibir o efeito
natriurético da furosemida, inibir a depuração renal de lítio, reduzir o efeito anti-hipertensivo do
propranolol e outros beta-bloqueadores.
A probenecida, administrada concomitantemente, prolonga a meia vida e eleva os níveis plasmáticos
do naproxeno.
A administração concomitante de Flanax e metotrexato deve ser feita com cautela, porque tem-se
relatado que o naproxeno reduz a secreção tubular do metotrexato em modelo animal, e assim
possivelmente aumenta sua toxicidade.
Se a concentração plasmática de naproxeno for superior a 75 mcg/ml pode haver aumento da
concentração de carbamazepina livre.
Interferências com testes laboratoriais
Sugere-se que a terapêutica com Flanax seja temporariamente descontinuada 48 horas antes da
realização de provas de função supra-renal, porque Flanax pode interferir em algumas provas
relativas aos esteróides 17-cetogênicos. Do mesmo modo, Flanax pode interferir em algumas
análises urinárias para o ácido 5-hidroxiindolacético. O naproxeno diminui a agregação plaquetária,
aumentando o tempo de sangramento. Esse efeito deve ser levado em consideração na determinação
do tempo de sangramento.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Flanax 250mg

As seguintes ocorrências são as mais comumente relatadas: dor abdominal, constipação, diarréia,
náuseas, estomatite, azia, dispnéia, sede, sonolência, vertigens, enxaquecas, tontura, erupções
cutâneas, prurido, sudorese, distúrbios auditivos e visuais, tinitus, palpitações, edemas e dispepsia,
púrpura.
Também foram relatados os seguintes efeitos adversos:
– Funções gastrintestinais: estomatite ulcerativa, esofagite, sangramento e/ou perfuração esofágica,
ulceração gastrintestinal péptica e não péptica, hematêmese, melena, anormalidades na função
hepática, hepatite, icterícia, pancreatite, colite.
– Funções renais: hematúria, hiperpotassemia, nefrite intersticial, síndrome nefrótica, doenças renais,
insuficiência renal, necrose renal papilar, aumento da creatinina sérica.
– Funções hematológicas: agranulocitose, anemia aplástica e hemolítica, eosinofilia, leucopenia,
trombocitopenia.
– Funções no sistema nervoso central: meningite asséptica, disfunção cognitiva, convulsões,
depressões, incapacidade de concentração, insônia, mialgia, mal estar, fraqueza muscular,
anormalidades do sono.
– Funções dermatológicas: alopécia, necrólise epidermal, eritema multiforme e nodoso, liquen planus,
rash cutâneo, Síndrome de Stevens-Johnson, urticária, reações fotossensitivas, epidermólise bolhosa.
– Funções respiratórias: asma, pneumonite eosinofílica.
– Funções cardiovasculares: insuficiência cardíaca congestiva, hipertensão, edema pulmonar e
vasculite.
Podem ocorrer reações anafiláticas, edema angioneurótico, pirexia.
Podem ocorrer também reações tais como: opacidade corneana, papilite, neurite óptica retrobulbar e
papiledema.

Flanax 250mg – Posologia

Comprimidos de 275 mg: tomar 1 comprimido, 1 a 2 vezes ao dia ou a critério médico.
Não é recomendado o uso de Flanax por mais de 10 dias consecutivos, a não ser sob orientação
médica.

Superdosagem

Superdosagem significativa do medicamento pode ser caracterizada por sonolência, vertigem, dor
epigástrica, desconforto abdominal, náuseas, vômitos, alterações transitórias na função hepática,
hipoprotrombinemia, disfunção renal, acidose metabólica, apnéia e desorientação.
O naproxeno é rapidamente absorvido, portanto os níveis plasmáticos devem ser avaliados
antecipadamente. Existem alguns relatos de convulsões, no entanto, não foi estabelecida uma relação
causal com naproxeno.
Se um paciente ingerir grande quantidade de naproxeno, acidental ou propositadamente, deve-se
proceder a esvaziamento gástrico e empregar as medidas usuais de suporte.
Estudos em animais indicam que a pronta administração de 50 a 100 g de carvão ativado durante 15
minutos até 2 horas após a ingestão substancial da droga tenderia a reduzir acentuadamente a
absorção do medicamento.
Hemodiálise não diminui a concentração plasmática de Flanax, devido ao elevado grau de ligação
protéica.

Flanax 250mg – Informações

O naproxeno sódico é um antiinflamatório não esteróide com propriedades analgésicas e antipiréticas.
O naproxeno sódico age inibindo a síntese de prostaglandinas, no entanto, não se conhece
exatamente o mecanismo de ação antiinflamatória.
O naproxeno sódico é rápida e completamente absorvido no trato gastrintestinal após administração
oral; conseqüentemente, níveis plasmáticos significantes e alívio da dor são obtidos dentro de 30
minutos após sua administração. Picos plasmáticos são atingidos em 1-2 horas, dependendo da
ingestão de alimentos. Em níveis terapêuticos, mais de 99% do naproxeno sódico está ligado à
albumina sérica. Níveis plasmáticos de equilíbrio são atingidos após 3-4 dias. O naproxeno sódico
atinge o líquido sinovial e cruza a barreira placentária. naproxeno sódico é metabolizado no fígado.
Aproximadamente 95% da dose ingerida é eliminada pela urina e 3%, ou menos, pelas fezes. A taxa
de excreção de metabólitos quase coincide com a taxa de eliminação do naproxeno sódico do plasma.
A meia-vida de eliminação do naproxeno sódico é de aproximadamente 14 horas, independente da
forma química ou da formulação.
Situações clínicas especiais:
Pode haver acúmulo do fármaco em pacientes com insuficiência renal, já que o naproxeno sódico é
excretado primariamente por esta via. A eliminação do naproxeno sódico é menor em pacientes com
insuficiência renal severa; porém, pacientes com depuração de creatinina menor que 10 ml/min
apresentam depuração de naproxeno sódico maior que o estimado pelo grau de insuficiência renal.
O perfil farmacocinético do naproxeno sódico em crianças de 5-16 anos é semelhante ao de adultos,
embora a depuração seja geralmente maior nas crianças. Não foram realizados estudos
farmacocinéticos em crianças menores de 5 anos.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *